De 22 a 27 de abril de 2019, no centro espiritual dos carmelitas Njungwi em Zomba, no Malaui, teve lugar um worshop (oficina) de formação sobre Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC). O tema da oficina foi “JPIC como estilo de vida: celebração do 800º aniversário do encontro de São Francisco de Assis com o Sultão em Damietta, no Egito”. Participaram na formação cerca de trinta pessoas, entre elas, doze frades capuchinhos da Custódia do Malaui. O resto do grupo incluía as Irmãs Franciscanas Missionárias de Assis (FMSA), as Irmãs Carmelitas Missionárias (CMS), as Irmãs Beneditinas e as Irmãs Filhas da Sabedoria (DWS), a Ordem Franciscana Secular (OFS) e alguns seminaristas diocesanos da Diocese de Zomba.

O principal objetivo da oficina era animar e formar os nossos frades capuchinhos e outros franciscanos nos valores, teoria e prática de JPIC. Além disso, a oficina foi usada como lançamento das celebrações do 800º aniversário do encontro entre São Francisco de Assis e o Sultão em Damietta. Os participantes receberam uma formação sobre temas sociais, como direitos humanos, a construção da paz e a resolução de conflitos, os valores de JPIC, o cuidado do ambiente, o diálogo inter-religioso, a tutela dos mais frágeis, o trabalho em rede e as estratégias de mobilização em meio a outras pessoas. Foi dada particular atenção em abordar o tema da extrema pobreza, da corrupção, do casamento precoce e do abandono escolar no Malaui.

Vários participantes identificaram o casamento infantil como um dos maiores desafios que enfrentam na sua missão. Segundo a UNICEF, cerca de 46% das jovens no Malaui casa-se antes dos 18 anos e 9% antes dos 15. Os principais responsáveis pelos casamentos das crianças são a pobreza cultural, as religiões tradicionais e a pressão dos seus pares. O casamento de crianças é frequentemente associado a uma educação limitada e poucas oportunidades de trabalho, e é visto como uma maneira de proteger as jovens da gravidez fora do matrimónio. Às vezes, as adolescentes são expostas a atividades sexuais em cerimónias de iniciação, que podem levá-las a ter relações sexuais com os seus pares e a casamentos precoces.

No encerramento da oficina, os participantes solicitaram um maior empenho para reduzir o fenómeno dos matrimónios precoces e o abandono escolar. Serão introduzidas diversas iniciativas, entre as quais, programas úteis e de apoio para estudantes e pais das escolas capuchinhas e católicas. O diálogo inter-religioso entre muçulmanos e cristãos fará parte da atividade pastoral para a família franciscana no Malaui.


Agenda

Mais lidos

  • Semana

  • Mês

  • Todos