No passado dia 5 de julho, o Papa Francisco autorizou a promulgação do Decreto concernente às virtudes heróicas do Servo de Deus frei Angélico Lipani, sacerdote professo italiano da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, fundador da Congregação das Irmãs Franciscanas do Senhor, nascido em Caltanissetta, em 28 de dezembro de 1842, e ali falecido em 9 de julho de 1920.

 

Infância e adolescência

O Servo de Deus Padre Angélico Lipani nasceu em Caltanissetta, uma pequena cidade da Itália, no dia 28 de dezembro de 1842. No mesmo dia foi batizado por Dom Pasquale Sickles na Igreja Matriz (hoje Catedral) com o nome de Vincenzo, os padrinhos foram os parentes Damiano Lipani e Michelina Salerno. Vincenzo foi o último filho tendo como irmãos: Pedro, Michelangelo, Michele, Damiana e Teresa. Foi recebido com alegria entre todos, como dom de Deus.

Vincenzo foi educado num ambiente familiar impregnado de simplicidade, seriedade e harmonia com o Senhor e com os vizinhos, seus pais eram: Salvatore e Calogera Raitano. A mãe, uma dona de casa simples, era descendente de uma família rica. Ela era uma mulher piedosa, profundamente católica, orante, honesta no seu trabalho, totalmente dedicada à família e à educação dos filhos. O pai, um homem honesto, de uma boa família e temente a Deus, trabalhador, generoso e carinhoso para com os filhos, sabia sacrificar-se pelo bem da família.

Mesmo ainda menino foi distinguido por uma piedade profunda e simples, uma sinceridade transparente que atraiu a simpatia dos seus companheiros e tornou-se querido para a sua família. Notava-se nele algo especial, o Senhor já havia colocado o seu olhar amoroso sobre ele, escolhendo-o para cumprir os seus desígnios divinos: fazer dele um apóstolo da caridade na sua própria cidade. Mesmo sem saber totalmente ao certo a que caminhos Deus o levaria, entregou-se aos Seus desígnios de amor.

Em 1849, o bispo Mons. Antonino Maria Stromillo, administrou-lhe o Sacramento da Confirmação, que fez dele uma testemunha de Cristo Ressuscitado e o enriqueceu com os seus dons divinos.

O jovem, como Jesus, crescia em idade e sabedoria. Os seus pais dedicavam todos os esforços para formá-lo em termos de recursos humanos, culturais e cristãos.

Ele foi enviado para estudar, frequentar o Colégio dos Jesuítas, o único centro de estudo na época do povo nisseno juvenil, cultural e religioso.

Ainda jovem, apontou os seus dons de mente e coração. Tendo mostrado seriedade, capacidade de compromisso e cultura foi admitido aos estudos teológicos. Ele admirava a faculdade e os jesuítas, mas o seu coração estava fortemente ligado aos franciscanos: amava os capuchinhos e a eles preferiu pela sua simplicidade e pobreza. Mais tarde, portanto, sentiu que o Senhor o estava a chamar a seguir os passos de São Francisco de Assis.

 

A vocação

Vincenzo sentiu o chamamento do Senhor, no início confuso e quase imperceptível, mas depois tornou-se mais alto e mais insistente. Sentiu que Jesus o convidava a segui-lo de perto, exclusivamente na vida consagrada e pediu a sua resposta generosa.

Antes de responder, no entanto, com um “sim” total e definitivo, Vincenzo teve que superar muitos obstáculos. A primeira grande dificuldade foi a discordância dos pais do seu pedido. O casal Lipani estava abalado pela morte de outro filho, Peter, um jovem sacerdote diocesano que sofreu pneumonia, e não estavam preparados ou dispostos a outra separação, mesmo que diferente; uma morte tão prematura e repentina tinha marcado as suas vidas com uma dor profunda, então eles tentaram fazer Vincenzo mudar de ideia quanto a seu propósito.

Com muita fé, Vincenzo aceitou das mãos de Deus este teste que pareceu, a princípio, um fracasso do seu ideal. Ele deixou nas suas mãos, confiante de que o tempo e a graça de Deus iriam convencer os seus pais a dar o seu consentimento.

Enquanto isso, o seu primo Gaetano Lipani vestiu o hábito franciscano e teve os votos emitidos no noviciado de Caccamo. Vincenzo sentiu uma grande alegria e encorajamento a perseverar e lutar pela sua vocação, mantendo vivo no coração o desejo de consagrar-se a Deus na família religiosa dos Frades Capuchinhos.

Depois de alguns anos, ele obteve o consentimento dos pais e, com a idade de 18 anos, deixou a sua família e a sua cidade natal, para chegar ao convento dos capuchinhos em Palermo.

O jovem, convencido do chamamento de Deus, foi para Palermo para ser examinado na vocação pelo Padre Antonino de Partinico, Ministro Provincial, que aprovando-o na Ordem dos Capuchinhos imediatamente o transferiu para o convento de Caccamo para começar o Noviciado.

Em 13 de outubro de 1861, aos 19 anos de idade, pelas mãos de Padre Celestino de Caccamo, mestre de noviços, Vicenzo recebeu o hábito franciscano e também um novo nome, como o costume da época. O seu nome passou a ser frei Angélico.

Mesmo como um novato foi chamado de “frade virtuoso e zeloso”. O seu nome era um programa de vida: ser como um anjo, fazer o bem a todos, ajudar os necessitados, servir a Deus nos pobres, tornar-se dócil instrumento nas mãos de Deus seguindo os ideais de São Francisco.

O poeta nisseno Pier Maria Rosso di San Secondo, que o conhecia, chamou-o: “Imagem de franqueza … o seu nome é Angélico e nome mais apropriado não pode ter.”

Foi distinguido pela sua pureza angelical, humildade, pobreza, simplicidade e obediência. O amor pela observância regular e a sua Ordem fez dele um modelo. Frei Angélico ansiava pelo momento em que faria a sua profissão religiosa e, completado o noviciado, pediu para ser admitido. A sua idade, no entanto, era menor do que a estabelecida pelo Direito Canónico, por isso não podia emitir os votos. Com grande serenidade aceitou a prova, a vontade de Deus e de seus superiores tendo a data sido adiada.

Em dezembro de 1862 foi admitido na Primeira Profissão Religiosa e com grande alegria emitiu os votos de obediência, pobreza e castidade, considerando que aquele dia teria sido “o mais belo da sua vida.”

Mudou-se para Palermo para fazer os estudos teológicos e, demonstrado prontidão, força de caráter e espírito de alegria franciscana, foi admitido para preparar-se culturalmente e espiritualmente para os Votos Solenes.

A 7 de agosto de 1863, sessenta e seis frades reunidos em capítulo no convento em Palermo votaram por unanimidade sobre a admissão de Frei Angélico à Profissão Solene. A 13 de outubro de 1865 fez a profissão solene, tinha vinte e três anos de idade. No dia 22 do mesmo mês, foi ordenado subdiácono e a 1 de novembro, Diácono, pelo Bispo Mons. Agostino Franco.

A 3 de dezembro de 1865 Mons. Domenico Ciluffo, em Palermo, ordenou sacerdote Padre Angélico, consagrando para sempre ministro de Deus e luz do mundo. O Sacerdócio e a vida consagrada eram para ele um presente e uma oportunidade de viver e testemunhar a alegria de pertencer a Deus e servi-lo na caridade evangélica para com os irmãos e irmãs mais pobres.

 

O regresso a Caltanissetta

Padre Angélico, após receber a ordenação sacerdotal, permaneceu em Palermo para concluir os seus estudos e se preparar para o apostolado. Mas o Senhor permitiu que a fé do seu servo fosse mais uma vez colocada à prova, invertendo os seus planos.

A 28 de junho de 1866, com a lei de supressão, foram fechadas as ordens religiosas, congregações e confiscados os seus bens. A tempestade revolucionária também varreu os Capuchinhos de Palermo, os frades dispersaram-se e o convento foi fechado.

Angélico teve que deixar a sua cela, estudos e foi forçado a tirar o hábito de Capuchinho e voltar para Caltanissetta, sua cidade natal. Depôs o hábito franciscano na casa da família, onde ele havia regressado. Presenciou com dor e horror à profanação dos lugares sagrados: igrejas reduzidas a estábulos e galpões e como o confisco de bens serviu para aumentar a riqueza dos ricos e a miséria dos pobres.

Porém, o Senhor estava a trabalhar o seu coração, preparando-o para uma grande missão entre o seu próprio povo que vivia entre a opressão e a injustiça.

Ele passou no teste, confiando na Providência inseriu-se com inteligência e simplicidade entre os nissenos e o clero. Permaneceu fiel à sua vocação franciscana na esperança de tempos melhores e confiou em Deus. Como um verdadeiro filho de Francisco, juntou a seus sofrimentos os de Cristo Crucificado.

As relações sociais estabelecidas no novo ambiente de vida revelaram as qualidades humanas e personalidade madura e livre de Padre Angélico. O seu comportamento moral e religioso mostrou escolhas pessoais e existenciais com referências aos valores cristãos e à sua intimidade com Deus.

Mons. Guttadauro, bispo de Caltanissetta, impressionado com a sua piedade profunda e sólida, recebeu-o fraternalmente entre o clero diocesano em 1872 e confiou-lhe o cuidado da igrejinha eremita da Santa Cruz, o Senhor da Cidade, na periferia, que Padre Angélico havia pedido anteriormente.

Em 1874 tornou-se professor de Letras no Seminário Diocesano de Caltanissetta. Para os trinta e cinco seminaristas as matérias eram ensinadas com competência e profissionalismo. Para eles, Angélico compôs a sua própria gramática latina, apreciado por ilustres professores da época.

Com grande sentido de responsabilidade começou o seu trabalho educacional entre os seminaristas para formar com a palavra e com o exemplo a nova geração do clero diocesano, iniciando-os na fidelidade ao Evangelho para enraizar as suas vidas sobre a pessoa de Cristo. Tudo o que encontraram nele era um verdadeiro pai e professor, humilde, simples e discreto que se demonstravam pelas palavras e pela vida. O seminário, sem salas de aula, teve Angélico ensinando na sacristia da capela do Senhor da Cidade.

Ele ajudou os seminaristas mais pobres, vindos de fora da cidade, acolhendo-os na sua casa em Via Parrinello, dando-lhes comida, alojamento, hospitalidade e aulas. Sete seminaristas estudavam e alojavam-se gratuitamente na sua casa. Para um deles, Nissa, dificultado na sua vocação sacerdotal pela família por causa da pobreza em que se encontrava, Padre Angélico deu-lhe a oportunidade de trabalhar na parte da manhã para ajudá-lo e à tarde preparava-se para os exames de gramática da escola. Seis anos depois, o seminarista tornou-se um padre piedoso e zeloso: Don Michele Gerbino, que trabalhou na cúria por muitos anos e foi, mais tarde, o primeiro sucessor de Angélico no cargo de orientar o Instituto Senhor da Cidade.

Da escola de Padre Angélico vieram também os bispos: Mons. Giambro, Mons. Scarlata e Mons. Capizzi, e leigos, profissionais honestos. Angélico, um verdadeiro mestre, formou toda uma geração de sacerdotes com a sua cultura e suas virtudes veladas pela modéstia e exemplo de vida.

 

O renascimento franciscano

Passado o tumulto anticlerical, os religiosos dispersos procuraram de novo os seus institutos, muitos dos quais destruídos ou sequestrados pelo Estado. Retomando os seus hábitos, com a ajuda de Deus e com grandes sacrifícios, iniciaram a reconstrução dos seus conventos.

Também o Padre Angélico vestiu novamente o hábito capuchinho e, confirmado pela força de Deus, ancorado na fé que vence as forças contrárias, convencido de que no silêncio e na esperança está a fortaleza do homem, pensou também ele em erigir um novo Convento na periferia da cidade, junto à igreja de San Michele e antigo asilo.

Foi grande o seu sofrimento ao ver tantos irmãos desorientados. Queria que todos regressassem aos seus conventos. Com tal anseio no coração, em 8 de dezembro de 1885, adquiriu o terreno que confinava a igreja de San Michele e, em 15 de outubro de 1888, na presença dos seus irmãos, benzeu e colocou a primeira pedra. O sonho começava realizar-se. As dívidas foram grandes, talvez pela aquisição do terreno, mas Padre Angélico não desencorajou. Confiante na Providência divina, deu início à reconstrução do Convento, o que não foi fácil mas, com a ajuda de Deus, a sua forte tenacidade e generosidade do povo nisseno, depois de dois anos completou-se a estrutura e reativou-se o Convento em 4 de dezembro de 1904.

Os irmãos reconheceram a operosidade e o zelo de Angélico e Padre Antonino de Castellammare assim o recorda quanto à construção do Convento: “Está inseparavelmente ligada ao nome de Padre Angélico a fundação do novo Convento; ele lançou a primeira ideia, comprou o terreno, obteve a igrejinha e o asilo, pôs a primeira pedra, ergueu os alicerces e as primeiras moradias, reuniu-nos e inaugurou a primeira Comunidade.”

Religioso de vida exemplar, era amado pelos irmãos e estimado pelos superiores. Por diversas vezes foi Guardião, porém, nunca aceitou ser Provincial, antes, quis ocupar-se dos pobres e ser o pai de todos eles. Viveu no novo Convento vários anos até que Deus não mais o permitiu, com a sobrevinda de uma enfermidade.

 

O Senhor da Cidade

Na extrema periferia da cidade de Caltanisseta, situada no coração da Sicília, ergue-se o Santuário do Santíssimo Crucifixo Senhor da Cidade.

Foi encontrado numa gruta pelos “fogliamari” – famílias que colhiam fora da cidade ervas amargas nativas, como orégano, erva-doce, alecrim, para vender na feira da cidade.

Um dia saíram de casa bem de madrugada para chegar a terrenos distantes onde já sabiam ter em abundância essas ervas e encontraram um crucifixo dentro de uma gruta. Levaram alegres para dentro da cidade, colocaram numa igrejinha abandonada na periferia e o chamaram “Senhor da Cidade”.

Em 1867, era uma igrejinha rústica do campo, quase arruinada, ladeada de alguns casebres, também estes em péssimas condições. Normalmente estava fechada, quase abandonada o ano inteiro.

No Crucificado de Caltanissetta, Padre Angélico teria visto o Crucifixo de São Damião que um dia falou a São Francisco de Assis. O Crucifixo Senhor da Cidade teria-lhe inspirado as mesmas palavras “Restaura a minha Igreja”. Angélico amava aquele lugar e via no Crucificado o Cristo pobre, modelo a ser imitado até á total conformidade. Sobre ele concentrava e confrontava a sua vida e sua contemplação. Jesus Crucificado era a sua segurança nos momentos difíceis, a certeza no caminho de fidelidade no seu seguimento e nas provações da vida.

Em 1872, o Padre Angelico foi nomeado reitor desta Igrejinha. Ocupou-se dela pessoalmente, com sacrifícios mas não com menor alegria, reformou-a. Em 1877 completou o trabalho de restauro com a renovação do reboco e do pavimento.

Ali, Angélico iniciou as suas atividades apostólicas e caritativas, dando tudo de si mesmo. Aos pés do Crucificado, na oração e contemplação, obtinha força e coragem, coerência e santidade de vida, que o tornavam agradável a Deus, aos irmãos e fecundo no seu apostolado.

Foi ali também que deu início à formação dos Terciários franciscanos, com a palavra e o exemplo de vida. Redigiu o “Svegliarino”, um folheto periódico em que tratava de temas da vida cristã, franciscana e evangélica para todos os fiéis e particularmente para a Ordem Terceira Secular.

O amor a Deus e ao próximo andavam lado a lado e a caridade, para ser verdadeira, tem que ser operante: instituiu o “Pão da Caridade” que era distribuído aos pobres.

Ao lado da Igrejinha, construiu o Instituto Senhor da Cidade onde acolheu primeiramente, doze órfãs. O Padre Angélico entendia que não bastava às crianças tão somente a instrução, era necessário pensar também na sua formação espiritual, numa educação cristã, além da humana e cívica. Era preciso que alguém cobrisse aquelas crianças de atenções e cuidados maternos e tal missão podia ser executada apenas por almas inteiramente consagradas a Deus.

 

A Congregação das Irmãs Franciscanas do Senhor

O início da Congregação nasceu como resultado de dois eventos trágicos que atingiu a cidade de Caltanissetta, cuja economia na época era baseada principalmente na extração de enxofre das minas espalhadas por todo território. As vidas dos mineiros era difícil e pouco rentável, as famílias viviam em extrema pobreza. A isso se somavam frequentes colapsos que deixavam muitas vítimas e muitas famílias privadas da única renda. Foi precisamente duas tragédias de mineração, a de Gessolungo em 1881 e a de Tumminelli em 1882 que impulsionaram o Padre Angélico à fundação de uma obra que poderia ajudar aqueles que iriam pagar mais por essas tragédias: os órfãos de mineiros.

O começo foi tímido. Três professas terciárias Antoinette Gancitano, Filippa Volpes e Filomena Licitri, humildemente passaram de casa em casa para pedir, especialmente aos ricos, ajuda financeira que poderia servir para construir uma pequena casa para acomodar algumas órfãs. Recolheram 400 liras e com elas Angélico iniciou, em 1883, a construção de alguns quartos, em dois andares, adjacentes à igreja do Senhor da Cidade.

Em 1884, a estrutura estava pronta e Angélico ali reuniu as primeiras órfãs, confiando a sua educação a Filomena Licitri, Marietta Salomão e Concettina La Paglia, mais tarde substituída por Giuseppina Ruvulo. O Instituto foi inaugurado entre setembro e outubro de 1884, provavelmente a inauguração oficial foi o dia da festa de São Francisco de Assis. Juntamente com as professoras, havia duas terciárias, que padre Angelico tinha particularmente acompanhado no seu longo discernimento vocacional, eram elas: Giuseppina Ruvolo e Grazia Pedano. Elas logo sentiram o desejo de Padre Angélico de dar a essas órfãs pão, educação e mãos maternas, veio também a plena consciência de que o Senhor estava a chama-las a um salto qualitativo, um dom total a Deus e ao cuidado espiritual e materno dessas pobres crianças. Então, após um ano de “noviciado”, 15 de outubro de 1885, aos pés do Crucifixo Senhor da Cidade, Padre Angélico recebeu a consagração dessas duas almas santas, nascia ali a Congregação das Irmãs Franciscanas do Senhor.

No mesmo ano, Angélico escreveu o Regulamento e os Estatutos da Congregação nascente. As duas primeiras irmãs dedicaram-se com todas as suas forças físicas e espirituais para implementar o carisma desejado pelo Fundador.

Mas esse trabalho maravilhoso, que parecia já solidamente construído, pareceu despedaçado no início dos anos 90, do século XIX, quando a Irmã Grazia voltou para a sua família, onde ela era necessária, e logo depois, a doce Irmã Giuseppina morreu, em 9 de agosto de 1891, deixando uma lembrança vívida de santidade nas órfãs e naqueles que a conheceram. Padre Angélico rezou e pediu ao Senhor a iluminação para entender como continuar esse trabalho, que parecia abandonado pelo Céu, e aqui, em 1892, três das meninas que haviam crescido no Instituto se apresentaram a Angélico para lhes permitir a continuação dessa experiência de vida e fé, iniciada pela inesquecível Irmã Giuseppina; Padre Angélico acolheu com alegria Vincenza Guarneri, Lucia Tuzzé e Rachel Marotta tomaram o nome de Irmã Verônica de Resuttano, Irmã Clara Bompensiere e Suor Angelica Piazza Armerina. Um ano depois, nas mãos do Padre Angélico, fizeram os votos e formaram a primeira Comunidade das Irmãs Terciárias Franciscanas. Irmã Veronica Guarneri foi nomeada pelo bispo (então reeleito por unanimidade em 5 de abril de 1897); Irmã Clara foi designada como Mestre de Noviças, Irmã Angélica como Ecónoma e Padre Angélico como Diretor.

Assim, a Congregação recebeu a sua estrutura institucional. Começaram, portanto, as suas atividades de mães e professoras e à missão inicial para os órfãos se juntou logo o serviço mais amplo para com os pobres da cidade, na verdade, configurar as Irmãs a “cozinha económica”, onde os pobres encontravam comida e uma palavra de conforto das três irmãs.Em seguida, foram acompanhadas pela irmã Agnese Marsala, pela irmã Elisabetta Russotto e pela irmã Margherita Indorato. Em 1897 a fachada da igreja foi demolida, o que, a expensas da condessa Maria Adelaide Testasecca, grande benfeitora do Instituto, foi ampliado em um terço e foi construída a perspectiva atual em pedra de Sabucina, a igreja, após extenso trabalho, que também marcou a adição de um coro para as freiras e a ereção de quatro altares (dedicados a São Francisco, Santo António, Nossa Senhora de Pompéia e Santa Isabel), foi reaberto para culto em 2 de outubro de 1898.

Em 4 de outubro de 1899, monsenhor Ignazio Zuccaro, bispo de Caltanissetta, que visitou o Instituto várias vezes e apreciou o trabalho das irmãs e de seu fundador, enviou a Padre Angélico o certificado de aprovação da Congregação.

Essa história se prolonga até hoje através de almas desposadas que desejam seguir o mesmo caminho de Angélico Lipani. A Congregação abriu missão em outros países onde formam comunidades como Brasil, Bolívia, Tanzania, Indonésia, Timor-Leste e Filipinas.

 

Os últimos anos e morte

Os últimos anos de vida do Padre Angélico foram marcados de várias provações físicas e morais. Após anos de dificuldades e intenso trabalho, em 4 de dezembro de 1904, na pequena casa do Convento, em Caltanisseta, reuniu-se a primeira comunidade por ele formada.

Angélico permaneceu na sua pequena cela por diversos anos. A cada manhã, dirigia-se ao Instituto para celebrar e, depois da missa, orientava a Comunidade das irmãs, aconselhando, sustentando a todas e ocupando-se dos problemas quotidianos. Voltava depois ao seu convento.

Anos depois, aconselhado pelos irmãos e constrangido pela necessidade, deixou o convento que tanto amava para ser cuidado pela sua irmã.

Unido à vontade de Deus, pronunciou mais uma vez o seu ‘sim’ e, a partir daquele momento, a sua vida foi um contínuo e silencioso holocausto. O Senhor quis que ele bebesse o cálice até ao fundo.

Certo dia, Angélico já paralítico, recebeu a notícia que, por ordem do prefeito e do bispo, o Instituto Senhor da Cidade devia ser fechado. Ele que o havia fundado com amor e sacrifícios heroicos e também formara as Irmãs a que confiara a obra, vê num instante acabar em nada uma vida inteira. O seu refúgio foi a oração. Confiante, dirigiu-se ao Pai e à Santíssima Mãe. Depois, ergueu-se e disse a Dom Michelino Gerbino, que ali estava: “O Instituto não deve ser fechado. Vá agora mesmo ao Bispo, declare isto a ele e peça-lhe, em meu nome, que revogue a ordem.” Diante da notícia, moveram-se também as três terciárias seculares Maria Adelaide Testasecca, Maria Stella D’Ajala Bartoli e Cristina Ajala Adoninno. Foram ao Bispo, que as acolheu, ouviu e se deu conta da situação. Entregou a Dom Michele Gerbino um bilhete com a revogação do decreto. Este o levou à Prefeitura e voltou a Angélico com a alegre notícia. O Senhor havia atendido a oração do Fundador e o Instituto não foi fechado.

Ainda muitas provações o acompanharam mas não lhe apagaram o brilho da alma esposada e a alegria de uma vida na graça de Deus.

“Sede santas, quero que todas sejais santas, como santo eu quero ser.“

Com estas palavras, no dia 9 de julho de 1920, na pequena sala de Via Mussomeli em Caltanissetta/Itália, o Padre Angélico despediu-se das suas irmãs, deixando-lhes um testamento desafiador e sem tempo.

Desde então, a Congregação das Irmãs Franciscanas do Senhor tem-se expandido por todo o mundo, trazendo luz para muitos olhos sombreados por lágrimas e sofrimento, crianças, idosos, cuidados e educação, este é o carisma que as irmãs têm amadurecido desde aquela noite, quando o Padre Angelico voou para o céu.

 

Ligações

https://angelicolipani.weebly.com/

http://ifrans.org.br/carisma/fundador/

Agenda

Últimas notícias

Mais lidos