Onde estamos

Os Capuchinhos estão em Portugal, de maneira continuada, desde que, a partir de 1932, alguns Irmãos de Espanha procuraram entre nós segurança no contexto da guerra civil do seu país. Da Província de Andaluzia, veio um naquele ano para o Seminário de Beja, indo no ano seguinte, com outro, como pároco para Mértola. Em 1936 abriram uma comunidade em SERPA; e em 1937, outra em BEJA, junto à igreja do Salvador, onde estivemos até 1968. Por sua vez, os da Província de Castela, em 1934 obtiveram licença para erigir casa em BARCELOS, seguindo-se as de PONTE DE LIMA e CEIVÃES (Monção), em 1936. Em 1937, dois vindos de Bilbau foram viver no PORTO.

Em 1 de Março de 1939, o Ministro Geral criou o que então se chamava Comissariado Geral, fazendo depender da Cúria Geral os religiosos já presentes no nosso país e as Casas por eles fundadas; e nomeou como primeiro Superior o seu vice-secretário geral, da Província da Catalunha. Em 17 de setembro de 1957, Portugal passámos a ser Comissariado Provincial; e em 29 de junho de 1969, Província Portuguesa da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos. Havia, então, casas em Barcelos, Porto, Gondomar, Coimbra, Fátima e Lisboa. Tinham fechado as de Ponte de Lima, Fafe, Vila Nova de Poiares (1953-1958) e Beja, abrindo-se depois as da Baixa da Banheira (Barreiro) e Cabanas de Viriato (já fechada, tal como a de Coimbra).

Da Província Portuguesa, muitos Capuchinhos foram em Missão para Angola em 1954, onde ainda permanecem alguns, integrados, com os de Veneza e Angola, na nova Vice-Província de Angola; além de D. Joaquim Ferreira Lopes, Bispo de Viana, e D. Francisco de Mata Mourisca, Bispo emérito do Uíje. A partir de 2003, também estamos em Timor-Leste, com duas fraternidades em Laleia e Tíbar, contando com dois Irmãos da Província de Pontianac (Indonésia). Por outro lado, acolhemos os pós-noviços da Província de Cabo Verde que fazem os seus estudos no Porto, ao mesmo tempo que os postulantes portugueses fazem o Noviciado em Cabo Verde.

Na formação da nossa Província Portuguesa colaboraram muitos religiosos de vários países. De ESPANHA: 10 de Andaluzia, 21 de Castela, 2 da Catalunha, 5 de Navarra-Aragão-Cantábria; do BRASIL: 11 de Caxias, Rio Grande do Sul e 2 de São Paulo; de ITÁLIA: 1 de Trento, 2 de Piemonte e 2 de Veneza; da FRANÇA: 1 de Tolosa; da ÍNDIA: 1. A todos, os Capuchinhos de Portugal ficarão sempre agradecidos.