Liturgia

Salmo 67

 

Deus nos abençoa

neste primeiro dia do novo ano

do único ano do dia eterno.

Desde que Jesus entrou

na história do homem

ninguém mais ficou

fora da eternidade de Deus.

 

Deus tem compaixão de nós

porque tem coração de pai,

e nós pés de barro.

Sete vezes a fraqueza nos derruba ao chão?

Setenta vezes sete nos levanta a paciência de Deus.

 

Deus nos mostra os seus caminhos,

de verdade e sabedoria,

para iluminar os nossos atalhos,

de dogmas e silogismos.

Quando nós O procurávamos nas nuvens

e nas "vias" das teológicas sumas

já Ele carregava as sementes e as lágrimas connosco

e, no regresso, enchia de frutos a nossa mesa.

 

Deus nos segura pela mão quando naufragamos

e, numa tábua qualquer, reanimamos a última esperança.

No mar das nossas tempestades

nenhum vento é favorável

quando navegamos sem destino.

 

Deus nos julga com justiça

porque nos vê com verdade.

Os nossos olhos são janelas apenas

dos nossos pontos de vista.

 

Deus nos acorda para o louvor,

nos chama para a missão,

nos envia para a denúncia.

Só os escravos que não libertámos

nos impedem de caminhar na liberdade.

 

Deus dá-nos o pão de cada dia

símbolo de todos os frutos do seu amor.

Missão de quem o come

é dá-lo a outras bocas,

e encher de rios de paz os desertos.

 

Quando desejamos um bom ano a alguém

Já Deus nos tinha abençoado a todos.

 

 

Para rezar este Salmo em grupo

1. O Animador lê a introdução ao Salmo, na edição da Difusora Bíblica, para situar o texto no contexto.

2. Rezar o Salmo da Bíblia; em grupo ou em família, a dois coros, podendo-se cantar uma antífona após cada estrofe.

3. Em silêncio, pensar nas primeiras impressões ou na mensagem recebida. A seguir, pode-se partilhar.

4. Rezar o texto desta página, individualmente. E comparar a mensagem colhida no Salmo da Bíblia com a novidade ou surpresa deste texto. Em grupo, cantar de novo a antífona.

5. Se for em grupo, proclamar este texto em dois coros.

6. Escrever o próprio Salmo, a partir desta experiência.

 

 

Salmo 66

 

Obrigado, outra vez, Senhor.

Na verdade,

Tu nunca te repetes naquilo que dás.

Quando chegas

trazes sempre uma boa nova,

inédita e sem prazo de validade.

Eu, porém, devo repetir sempre

o agradecimento,

porque, em mim, nada há de novo;

repito sempre o mesmo pecado.

 

Por isso vou:

chego sempre a tempo,

quando o destino és Tu.

 

Por isso, confio:

vejo-me melhor

com os olhos do Pai.

 

Por isso, quando voltar

ao fórum dos bonifrates

e dos ruídos,

 

já nada espero, pois Tu chegaste;

já nada quero, pois Tu te dás;

já nada sou, pois Tu és tudo;

já nada temo, pois Tu estás aqui.

 

Tudo creio, porque Tu me falas;

tudo vejo, porque Tu me vês;

tudo aceito, porque Tu o dás.

 

Agora entendo o teu silêncio.

Agora entendo o meu pecado.

Agora sinto-me teu filho.

 

 

Para rezar este Salmo em grupo

1. O Animador lê a introdução ao Salmo, na edição da Difusora Bíblica, para situar o texto no contexto.

2. Rezar o Salmo da Bíblia; em grupo ou em família, a dois coros, podendo-se cantar uma antífona após cada estrofe.

3. Em silêncio, pensar nas primeiras impressões ou na mensagem recebida. A seguir, pode-se partilhar.

4. Rezar o texto desta página, individualmente. E comparar a mensagem colhida no Salmo da Bíblia com a novidade ou surpresa deste texto. Em grupo, cantar de novo a antífona.

5. Se for em grupo, proclamar este texto em dois coros.

6. Escrever o próprio Salmo, a partir desta experiência.

 

 

Salmo 65

 

Tudo canta e grita de alegria!

 

Obrigado por este sol

que ilumina os caminhos da tua criação.

 

Obrigado por este oceano,

reflexo do teu mar infinito.

 

Obrigado por este deserto,

onde o silêncio e as estrelas,

nos aproximam melhor de Ti.

 

Obrigado por este mundo:

ele conduz a alma das pessoas.

 

Obrigado por este pão,

porque nem só da tua palavra vive o homem.

 

Obrigado por estes montes,

vestidos de rebanhos e de festa

por estas sementes e estes sons

que chegam dos campos, da lua e dos espaços,

pelos rios da cibernética.

São eles a caligrafia

dos nossos pastores, cientistas e poetas.

 

Tudo canta e grita de alegria!

 

 

Para rezar este Salmo em grupo

1. O Animador lê a introdução ao Salmo, na edição da Difusora Bíblica, para situar o texto no contexto.

2. Rezar o Salmo da Bíblia; em grupo ou em família, a dois coros, podendo-se cantar uma antífona após cada estrofe.

3. Em silêncio, pensar nas primeiras impressões ou na mensagem recebida. A seguir, pode-se partilhar.

4. Rezar o texto desta página, individualmente. E comparar a mensagem colhida no Salmo da Bíblia com a novidade ou surpresa deste texto. Em grupo, cantar de novo a antífona.

5. Se for em grupo, proclamar este texto em dois coros.

6. Escrever o próprio Salmo, a partir desta experiência.

 

 

Salmo 61

 

Quanto mais importante és,

mais te deves humilhar.

 

Quanto mais poder tens,

melhor deves servir.

 

Quanto mais sábio te julgas,

mais deves aprender.

 

Quanto mais coisas possuis,

mais deves agradecer.

 

Quanto mais a vida te sorrir,

mais sorrisos deves dar.

 

Quanto mais alto chegares,

mais pequeno te deves sentir.

 

Quanto mais louvares o rei

mais o deves respeitar.

 

Quantos mais caminhos andares,

mais longe deves olhar.

 

Quanto mais amor receberes,

mais o deves retribuir.

 

Quanto mais amigos fizeres,

mais amizade deves fazer.

 

Quanto mais perfeito pareceres,

mais o deves ser.

 

 

Para rezar este Salmo em grupo

1. O Animador lê a introdução ao Salmo, na edição da Difusora Bíblica, para situar o texto no contexto.

2. Rezar o Salmo da Bíblia; em grupo ou em família, a dois coros, podendo-se cantar uma antífona após cada estrofe.

3. Em silêncio, pensar nas primeiras impressões ou na mensagem recebida. A seguir, pode-se partilhar.

4. Rezar o texto desta página, individualmente. E comparar a mensagem colhida no Salmo da Bíblia com a novidade ou surpresa deste texto. Em grupo, cantar de novo a antífona.

5. Se for em grupo, proclamar este texto em dois coros.

6. Escrever o próprio Salmo, a partir desta experiência.

 

 

Salmo 51

 

Senhor,

hoje, o sol despertou-me para o dia

da tua bondade e misericórdia.

 

Calei-me,

e Tu encheste o meu silêncio.

 

Caí,

e Tu levantaste-me do chão.

 

Perdi-me,

e Tu foste procurar-me.

 

Caí outra vez,

e Tu foste paciente.

 

Fugi para longe,

e Tu foste comigo.

 

Caí terceira vez,

e Tu não te cansaste de mim.

 

Tapei os ouvidos,

e Tu não deixaste de chamar.

 

Caí até sete vezes,

e Tu setenta vezes sete me perdoaste.

 

Neguei-Te,

e Tu continuaste a crer em mim.

 

Perdi-Te de vista,

e Tu não deixaste de me ver.

 

Atirei pedras ao outro,

e Tu escreveste o meu nome na areia.

 

Desisti de Ti,

e Tu não Te foste embora.

 

Abandonei o teu caminho,

e Tu continuaste no meu.

 

Desprezei quem me ofendeu,

e Tu perdoaste aos dois.

 

Cansei-me de Ti,

e Tu continuaste a amar-me.

 

Fui mau filho,

e Tu foste bom Pai.

 

Senhor,

hoje, ao cair das sombras na cidade,

só Tu brilhavas dentro de mim.

 

 

Para rezar este Salmo em grupo

1. O Animador lê a introdução ao Salmo, na edição da Difusora Bíblica, para situar o texto no contexto.

2. Rezar o Salmo da Bíblia; em grupo ou em família, a dois coros, podendo-se cantar uma antífona após cada estrofe.

3. Em silêncio, pensar nas primeiras impressões ou na mensagem recebida. A seguir, pode-se partilhar.

4. Rezar o texto desta página, individualmente. E comparar a mensagem colhida no Salmo da Bíblia com a novidade ou surpresa deste texto. Em grupo, cantar de novo a antífona.

5. Se for em grupo, proclamar este texto em dois coros.

6. Escrever o próprio Salmo, a partir desta experiência.

 

 

Salmo 46

 

Deus está connosco.

Um rio, uma montanha e uma estrela

abriram-lhe o caminho

até este salmo.

 

Ele é o Senhor do universo:

por isso estudamos os astros,

enviamos satélites,

chegamos à lua.

 

É o Senhor da paz:

por isso não temos armas,

não temos guardas,

não temos medo.

 

É o Senhor da justiça:

por isso trabalhamos a terra,

levantamos a cidade,

exigimos o pão.

 

É o Senhor da esperança:

por isso seguimos o rio,

olhamos o mar,

puxamos a rede.

 

É o Senhor da vida:

por isso limpamos a rua,

subimos as montanhas,

respiramos o ar.

 

O Senhor está connosco

para entender o universo,

sentir a paz,

construir a justiça,

viver a esperança,

amar a vida.

 

 

Para rezar este Salmo em grupo

1. O Animador lê a introdução ao Salmo, na edição da Difusora Bíblica, para situar o texto no contexto.

2. Rezar o Salmo da Bíblia; em grupo ou em família, a dois coros, podendo-se cantar uma antífona após cada estrofe.

3. Em silêncio, pensar nas primeiras impressões ou na mensagem recebida. A seguir, pode-se partilhar.

4. Rezar o texto desta página, individualmente. E comparar a mensagem colhida no Salmo da Bíblia com a novidade ou surpresa deste texto. Em grupo, cantar de novo a antífona.

5. Se for em grupo, proclamar este texto em dois coros.

6. Escrever o próprio Salmo, a partir desta experiência.