Liturgia

Salmo 111

 

A poesia nasceu

quando Adão se sentou no Éden

e contemplou pela primeira vez

a árvore da vida.

Só mais tarde,

quando Adão sentiu fome,

nasceu a filosofia.

 

A beleza vê-se

com os olhos fechados.

Quando os abrimos,

a cobiça contempla as coisas

e logo sentimos fome.

 

Quem dera

continuarmos hoje o passeio no jardim

com os poetas da Criação.

 

Todas as filosofias estariam a mais.

 

 

Para rezar este Salmo em grupo

1. O Animador lê a introdução ao Salmo, na edição da Difusora Bíblica, para situar o texto no contexto.

2. Rezar o Salmo da Bíblia; em grupo ou em família, a dois coros, podendo-se cantar uma antífona após cada estrofe.

3. Em silêncio, pensar nas primeiras impressões ou na mensagem recebida. A seguir, pode-se partilhar.

4. Rezar o texto desta página, individualmente. E comparar a mensagem colhida no Salmo da Bíblia com a novidade ou surpresa deste texto. Em grupo, cantar de novo a antífona.

5. Se for em grupo, proclamar este texto em dois coros.

6. Escrever o próprio Salmo, a partir desta experiência.

 

 

Salmo 108

 

Ó Deus, meu coração está firme,

apesar da fraqueza dos pés;

o meu espírito está alegre,

apesar do vazio no estômago;

o meu destino é a felicidade

apesar da distância;

os meus sentidos te procuram,

apesar dos fetiches

e do rondar das parcas.

 

Quero despertar a aurora

para cantar às gerações

as tuas vitórias, não as minhas condecorações;

a tua grandeza, não as minhas vaidades;

os teus salmos, nãos as minhas cacofonias.

 

Quero narrar aos povos

a cidade fortificada

com os guerreiros da luz,

na paz e na justiça

contra a estratégia das baionetas,

as trombetas da publicidade

e a globalização do terror.

 

 

Para rezar este Salmo em grupo

1. O Animador lê a introdução ao Salmo, na edição da Difusora Bíblica, para situar o texto no contexto.

2. Rezar o Salmo da Bíblia; em grupo ou em família, a dois coros, podendo-se cantar uma antífona após cada estrofe.

3. Em silêncio, pensar nas primeiras impressões ou na mensagem recebida. A seguir, pode-se partilhar.

4. Rezar o texto desta página, individualmente. E comparar a mensagem colhida no Salmo da Bíblia com a novidade ou surpresa deste texto. Em grupo, cantar de novo a antífona.

5. Se for em grupo, proclamar este texto em dois coros.

6. Escrever o próprio Salmo, a partir desta experiência.

 

 

Salmo 90

 

Senhor,

o tempo veio sentar-se

à porta da minha casa

para ver passar as horas

e contar as madrugadas

a partir dos sons e das sombras.

Às sombras chamámos noite;

aos sons chamámos dia.

 

Até que Tu chegaste

e, juntos, entrámos na mesma casa

das coisas e dos sentidos

para libertar o silêncio

das formas sem alma

e dos rostos sem olhar.

 

A partir da sabedoria e do coração

aprendi a contar os dias

e descobri, na tua palavra,

a direcção do vento

e, na tua mão,

a segurança da minha.

 

Ensina-me a não ter pressa

de viver;

mas, chegar apenas contigo,

ao mesmo tempo,

e entender,

na erva que ontem morreu,

a eternidade dos sonhos

que hoje nascem.

 

 

Para rezar este Salmo em grupo

1. O Animador lê a introdução ao Salmo, na edição da Difusora Bíblica, para situar o texto no contexto.

2. Rezar o Salmo da Bíblia; em grupo ou em família, a dois coros, podendo-se cantar uma antífona após cada estrofe.

3. Em silêncio, pensar nas primeiras impressões ou na mensagem recebida. A seguir, pode-se partilhar.

4. Rezar o texto desta página, individualmente. E comparar a mensagem colhida no Salmo da Bíblia com a novidade ou surpresa deste texto. Em grupo, cantar de novo a antífona.

5. Se for em grupo, proclamar este texto em dois coros.

6. Escrever o próprio Salmo, a partir desta experiência.

 

 

Salmo 89

 

Este mundo é a casa

das nossas recordações

e o laboratório

do nosso imaginário.

 

A memória desceu ao alçapão

das coisas sem valor

e trouxe de lá

a Lenda de Sargão,

a lanterna de Diógenes,

Francisco de Assis

e a Nona Sinfonia.

 

Depois alargou-se a casa

e o homem tornou-se cósmico;

o peão

começou a viajar.

O cosmonauta,

o astronauta,

e o cibernauta

trouxeram, do espaço e da ficção,

um saco de sinfonias virtuais,

um laboratório de lendas,

e um código de barras

para identificar os filósofos e os santos.

 

Este mundo,

memória e utopia,

é também a morada de Deus.

 

 

Para rezar este Salmo em grupo

1. O Animador lê a introdução ao Salmo, na edição da Difusora Bíblica, para situar o texto no contexto.

2. Rezar o Salmo da Bíblia; em grupo ou em família, a dois coros, podendo-se cantar uma antífona após cada estrofe.

3. Em silêncio, pensar nas primeiras impressões ou na mensagem recebida. A seguir, pode-se partilhar.

4. Rezar o texto desta página, individualmente. E comparar a mensagem colhida no Salmo da Bíblia com a novidade ou surpresa deste texto. Em grupo, cantar de novo a antífona.

5. Se for em grupo, proclamar este texto em dois coros.

6. Escrever o próprio Salmo, a partir desta experiência.

 

 

Salmo 78

 

O Senhor chegou de madrugada.

Disse às coisas: Agora

e ao tempo: Vamos.

Viu que tudo era bom.

Foi o primeiro dia da criação.

Depois chegámos nós:

repetimos as palavras,

plagiámos a madrugada,

o tempo piorou as coisas

do Jardim

e fez-se noite

em tudo o que era bom.

 

O Senhor veio ter connosco

outra vez

para abrir um caminho de paz

no meio da noite.

Nós também voltámos

para semear ventos de guerra.

E colhemos tempestades.

 

O Senhor fez cair a chuva;

para regar os campos

e fecundar as nossas mentes.

Porém, as invejas e paixões

deitaram ao mar o cesto

das sementes.

 

O Senhor abriu as mãos

para encher de trigo os nossos celeiros

e de felicidade os nossos corações.

Mas, o egoísmo fechou-nos as mãos

e a ambição aumentou os celeiros.

 

O Senhor feriu com a vara o rochedo

e, no vale das murmurações,

correu água e esperança.

Mas a ingratidão devolveu a sede,

e a saudade do Egipto secou o rio.

 

O Senhor levou-nos à montanha santa;

ergueu uma tenda,

escreveu uma lei

e fez connosco uma aliança.

Mas a vaidade humana subiu mais alto

e aliou-se aos pecadores,

rasgou a lei

e as nossas torres

ocultaram a tenda de Deus.

 

O Senhor voltou mais tarde

com mais sementes e esperança

e a mesma paciência,

repetindo ao deserto: Agora

e a nós: Vamos.

 

 

Para rezar este Salmo em grupo

1. O Animador lê a introdução ao Salmo, na edição da Difusora Bíblica, para situar o texto no contexto.

2. Rezar o Salmo da Bíblia; em grupo ou em família, a dois coros, podendo-se cantar uma antífona após cada estrofe.

3. Em silêncio, pensar nas primeiras impressões ou na mensagem recebida. A seguir, pode-se partilhar.

4. Rezar o texto desta página, individualmente. E comparar a mensagem colhida no Salmo da Bíblia com a novidade ou surpresa deste texto. Em grupo, cantar de novo a antífona.

5. Se for em grupo, proclamar este texto em dois coros.

6. Escrever o próprio Salmo, a partir desta experiência.

 

 

Salmo 72

 

O povo reuniu-se para escolher o rei

e disse:

o nosso rei deve ser

o mais sábio,

o mais santo,

o mais transcendente,

o mais poderoso,

o mais antigo,

o mais rico,

o mais respeitado,

o mais importante...

para poder subir ao monte da divindade

e falar com Deus.

 

O povo disse ainda:

o nosso rei deve ser

o mais humilde,

o mais amigo,

o mais simples,

o mais próximo,

o mais fraterno,

o mais solidário,

o mais humano...

para poder descer à humanidade

e falar com os homens.

 

Por isso, a maioria dos presentes

- pequenos camponeses e novos intelectuais -

propôs que o rei se chamasse EMANUEL,

ou seja,

DEUS-CONNOSCO.

 

 

Para rezar este Salmo em grupo

1. O Animador lê a introdução ao Salmo, na edição da Difusora Bíblica, para situar o texto no contexto.

2. Rezar o Salmo da Bíblia; em grupo ou em família, a dois coros, podendo-se cantar uma antífona após cada estrofe.

3. Em silêncio, pensar nas primeiras impressões ou na mensagem recebida. A seguir, pode-se partilhar.

4. Rezar o texto desta página, individualmente. E comparar a mensagem colhida no Salmo da Bíblia com a novidade ou surpresa deste texto. Em grupo, cantar de novo a antífona.

5. Se for em grupo, proclamar este texto em dois coros.

6. Escrever o próprio Salmo, a partir desta experiência.