O Evangelho segundo São Marcos é lido na maior parte dos domingos e Festas do Ano B, especialmente no Tempo Comum (que vai de quarta-feira de cinzas ao V domingo da Quaresma, e da Festa da SS. Trindade à Solenidade de Cristo Rei). Por isso, é conveniente conhecê-lo nas suas linhas fundamentais. Para uma iniciação mais profunda, ler a introdução ao meu livro: MARCOS – este Homem era Filho de Deus, Difusora Bíblica.

Tal como os outros livros da Bíblia, também os Evangelhos não surgiram da iniciativa nem da cabeça ou experiência individual de um escritor sagrado. São, antes de mais, o testemunho de uma Comunidade que acolheu o anúncio de Jesus Cristo dado pelos apóstolos e sentiu, depois, o apelo de Jesus: «Ide pelo mundo inteiro, proclamai o Evangelho a toda a criatura» (Mc 16,15).

Quer isto dizer que, antes de escrever o Evangelho e ser evangelista, Marcos ouviu o anúncio do mesmo Evangelho feito por outros e viveu como discípulo de Jesus numa comunidade cristã. A sua vida de fé e o seu zelo apostólico é que lhe mereceram, depois, a confiança da comunidade para se tornar seu porta-voz junto dos pagãos.

 

De discípulo e evangelizador, a evangelista

Os Atos dos Apóstolos falam da «casa de Maria, mãe de João, de sobrenome Marcos»; e dizem que, ao ser libertado da prisão por um anjo, alta noite, Pedro dirigiu-se a essa casa, «onde numerosos fiéis estavam reunidos a orar» (At 12,12). Ou seja: no tempo em que não havia igrejas, a “igreja doméstica” da casa da mãe de Marcos seria um dos vários lugares de encontro, oração e culto dos cristãos da cidade. E terá sido nessa comunidade familiar que o futuro evangelista foi iniciado na fé em Jesus Cristo.

A seguir à execução de Tiago, quando Herodes maltratava e prendia alguns membros da Igreja de Jerusalém (At 12,1-3), Marcos foi daqui levado pelo apóstolo Barnabé, seu primo, e por Saulo, que se dirigiram para Antioquia (At 12,25). E será Barnabé – que «era um homem bom, cheio do Espírito Santo e de fé» e já fora mestre de Saulo no apostolado (At 11,22-25) – quem vai iniciar Marcos na evangelização, levando-o com eles «como auxiliar» (At 13,5) quando foram enviados pela igreja de Antioquia para a 1ª VIAGEM Missionária de São Paulo. 

Mas, parece que o jovem (o mesmo que foge em Mc 14,51?) ainda não tinha amadurecido bem para esse trabalho: quando aqueles dois apóstolos se dirigiram de Pafos para Antioquia da Pisídia, «João, separando-se deles, voltou para Jerusalém» (At 13,13).

Na 2ª VIAGEM, «Barnabé queria também levar João, chamado Marcos. Mas Paulo não era de parecer que se levasse por companheiro quem deles se havia afastado na Panfília e não os tinha acompanhado no trabalho. Seguiu-se uma discussão tão violenta que se separaram um do outro e Barnabé tomou Marcos consigo, embarcando para Chipre. Por seu turno, Paulo, tomou Silas por companheiro e partiu» (At 15,37-40).

Deste aparente escândalo nasce uma nova equipa missionária. E Marcos certamente aprendeu a lição, pois estará novamente ao lado de Paulo quando este, entre 61 e 63, se encontra preso em Roma e pensa enviá-lo à Igreja de Colossas (Cl 4,10).

Finalmente, em Roma, vai encontrar-se de novo com Pedro, que o trata por «meu filho» na sua 1ª Carta 5,13.

 

O Evangelho de Jesus Cristo

Segundo a voz praticamente unânime da Tradição, foi em Roma que Marcos escreveu o seu livro, entre o ano 65 e 70, para transmitir o fundamental da mensagem que tinha ouvido a Pedro acerca de Jesus. Para isso, cria o género literário “Evangelho”, com que dá aos cristãos oriundos do paganismo esta boa notícia: «Jesus Cristo é Filho de Deus» (1,1).

Como eles não conheciam a Lei nem os profetas, que tinham preparado a vinda do Messias, envolve Jesus num mistério chamado “segredo messiânico”, desvelado a espaços entre a interrogação «Que é isto?» (1,27) ou «Quem é este...?» (7,37) e o assombro: «Nunca vimos coisa assim!» (2,12).

Pelo meio, ouvimos o testemunho dos demónios (1,23-24), do Pai (1,11; 9,1-7), do cego Bartimeu (10,47-48) e do próprio Jesus (14,61). Mas o maior testemunho vai ser dado por um pagão, o centurião romano, ao vê-lo morrer na cruz: «Verdadeiramente este homem era Filho de Deus!» (16,16). Entre estes dois pólos, o livro tem o seu vértice precisamente a meio, com a confissão de Pedro, em 8,29: «Tu és o Messias!»

 

Ler o Evangelho seguido

Marcos é o mais breve dos quatro Evangelhos: apenas 16 capítulos, face aos 21 de João, aos 24 de Lucas e aos 28 de Mateus. E é o mais simples, direto e colorido, valorizando pormenores em apoio de uma fé sensível ao extraordinário. Precisamente por isso, até ao século XIX esteve bastante subalternizado. Sobretudo ao de Mateus, onde a Igreja aparece mais organizada com os seus ministérios e sacramentos.

Havia, então, a ideia de que os Evangelhos eram vidas de Jesus, e tendia-se a constituir uma só biografia dispondo os quatro textos em concordância. Só depois se descobriu a pedagogia e os objetivos de cada um, conforme as comunidades a que se destinavam; e a reforma litúrgica do Vaticano II fez surgir três ciclos em que é valorizado cada um dos chamados Evangelhos “Sinóticos” – Mateus, Marcos e Lucas – e servindo-se de João, o evangelista da fé, sobretudo nos Tempos do Natal e da Páscoa.

Proponho aproveitar um tempo disponível para ler o texto do Evangelho segundo São Marcos todo seguido, sem se preocupar, inicialmente, com as notas explicativas de rodapé. Apenas sentindo cá dentro a voz do Pai: «Este é o meu Filho muito amado. Escutai-o» (9,7b). É a melhor forma de captar a identidade e as diferenças deste Evangelho e de se perceber o motivo por que tem sido considerado o Evangelho para as pessoas de hoje.

Muito melhor será, se o fizer de lápis na mão, sublinhando as reações dos personagens à figura de Jesus, e proclamando e assumindo algumas confissões de fé desses vários personagens acerca de Jesus.

Últimas notícias

Mais lidos

  • Semana

  • Mês

  • Todos