Na manhã do dia 23 de Maio, na Universidade Católica do Porto, foi apresentado o Volume III da obra ímpar e monumental de Frei Herculano Alves sobre a Bíblia em Portugal. No grupo razoável de participantes contavam-se alunos e professores da Faculdade de Teologia da UCP, alguns leigos, e um bom número de frades capuchinhos vindos dos conventos de Gondomar, Amial e Fátima.

A apresentação deste volume, que trata da Bíblia nos séculos XVI-XVII, foi feita pelo Professor Doutor António Abel Rodrigues Canavarro. Nas palavras que proferiu disse que se trata de um livro para consultar e a ele frequentemente voltar, porque é rico de intuições e ajuda a perceber muitos contextos nas mais de 6.500 obras e nos mais de 1.500 autores que ali são referenciados. Destacou o modo como o autor apresenta os muitos capítulos do livro, com introduções bem conseguidas e conclusões muito esclarecedoras. Chama também a atenção a quantidade de informação e, sobretudo, a localização das obras, facto que constitui uma novidade da obra, a qual facilita o trabalho para investigações futuras nesta área. Nesta obra – afirmou – está também patente o rigor teológico e científico do seu autor, obra que também demonstra a sua grande capacidade de sistematização. A preocupação do autor não é a de dizer tudo, mas a de mostrar a influência da Bíblia na Igreja e na cultura destes séculos. E terminou as palavras de apresentação destacando a grande conclusão, tirada pelo próprio autor: a Bíblia foi de facto e continua a ser o fundamento e a raíz da cultura europeia, também de Portugal. Concluiu afirmando que obras como esta ajudam-nos a recuperar a nossa identidade cristã.

Depois usou da palavra o autor, Frei Herculano Alves. Começou por referir que a ocasião que motivou este trabalho intitulado “A Bíblia em Portugal” foi o trabalho feito para a tese de doutoramento, sobre a Bíblia de João Ferreira de Almeida, cujo volume vai ser o IV e sairá ainda este ano. Foi um árduo trabalho do qual resultou também imenso material para investigação, e, por isso, seria pena não continuar. Depois, o autor revelou o segredo para levar a termo esta obra tão densa e volumosa: no emaranhado dos materiais reunidos foram-se encontrando os diversos “filões” que estão na base dos muitos capítulos do livro.

Antes de terminar a sessão, houve ainda tempo para algumas perguntas ao autor da obra apresentada, ficando todos mais esclarecidos e agradecidos ao Frei Herculano Alves por este trabalho pioneiro em Portugal.

Agenda

Últimas notícias

Mais lidos

  • Semana

  • Mês

  • Todos