Oseias

Da Biblia Online

Não se sabe quando e onde nasceu Oseias. O livro diz-nos o nome do seu pai (Beeri) e da sua esposa (Gomer). Sobre este matrimónio (narrado nos cap. 1-3) não possuímos dados seguros. Alguns pensam que se trata de pura ficção literária; outros admitem um matrimónio real, mas discutem se a mulher já era prostituta antes do casamento ou se se prostituiu depois. O certo é que o profeta se serve desta experiência, real ou simbólica, para descrever as relações de Deus (marido) com o seu povo infiel (esposa).

Oseias era, com certeza, do reino do Norte, onde exerceu a sua actividade, provavelmente na Samaria, Betel e Guilgal. Conhece bem a política do Reino de Israel e está informado acerca das tradições históricas e religiosas ligadas ao Norte; todas as cidades que menciona são do Norte e nunca se refere a Jerusalém. Devia ser um homem culto, a avaliar pela variedade e riqueza de imagens que utiliza.


ÉPOCA

Oseias deve ter começado a sua actividade logo a seguir a Amós, nos últimos anos do reinado de Jeroboão II (752-753 a.C.). Ora, a seguir a este rei, o Reino do Norte entrou num período de decadência e instabilidade política: nos trinta anos seguintes haverá seis reis, quatro dos quais ocuparam o trono pela força.

O perigo mais grave, porém, vinha da Assíria, um poderoso império que estendia as suas fronteiras, aniquilando os outros reinos e deportando as suas populações. Face a este poderio só havia duas soluções: submeter-se, pagando pesados tributos para não sofrer as consequências da derrota; ou procurar manter a independência, organizando a defesa em coligação com outros reinos, normalmente com o Egipto, que ainda mantinha certo prestígio mas que, na prática, se revelava ineficaz.

Parece ter sido neste contexto de alianças contra a Assíria que Pecá, rei de Israel, em união com Damasco, declarou guerra a Judá. O rei de Judá pediu o auxílio da Assíria, que derrotou Damasco e destronou o rei de Israel. Esta guerra, chamada siro-efraimita (734-732 a.C.), foi uma catástrofe para Israel. O reino ainda se manteve, numa situação extremamente debilitada, sob o reinado de Oseias (último rei de Israel e homónimo do profeta); mas desapareceu em 722 a.C., quando Salmanasar V, rei da Assíria, conquistou a Samaria, depois de o rei Oseias se ter negado a pagar tributo.

A par da difícil situação política interna e externa, é necessário ter em conta a situação religiosa para compreender as intervenções deste profeta. As alianças com outros povos tinham sempre implicações religiosas: a religião desses povos entrava em Israel. Além disso, neste período, a religião de Israel parece ter sofrido muitas influências cananeias, pela atracção que os cultos de Baal (divindade cananeia) exerciam nos sacerdotes e no povo. Era a Baal que se atribuía a fertilidade do solo, as chuvas e as colheitas. Quando a terra produzia, agradecia-se a Baal praticando o seu culto; quando havia carestia, realizavam-se ritos para implorar de Baal a fecundidade do solo.

Oseias é implacável na crítica a esta manipulação religiosa por parte dos sacerdotes: o Deus de Israel não admite concorrência de qualquer género, e não é Deus apenas para algumas ocasiões; Ele é o Deus da História, que acompanhou o seu povo, com quem fez uma aliança; é preciso voltar a essas experiências fundadoras do povo e eliminar de vez todos os ídolos. Oseias exprime tudo isto com a riqueza das suas imagens.

Não sabemos até quando o profeta exerceu a sua actividade. Há quem date os seus últimos oráculos por volta de 725 a.C. e pense que foi para Judá alguns anos antes ou a seguir à queda da Samaria. Se não há certezas acerca disto, o certo é que a sua pregação foi conhecida no Sul e ali se terá realizado a redacção final do livro.


DIVISÃO E CONTEÚDO

O livro de Oseias apresenta algumas dificuldades de compreensão, ou porque o texto hebraico está mal conservado, ou porque se contrapõem oráculos de condenação e de salvação sem uma evidente relação entre si. No seu conjunto, o livro pode dividir-se em duas partes distintas:

I. Simbolismo do matrimónio e da família (1,2-3,5); contém um relato biográfico (1,2-9), um outro autobiográfico (3,1-5), alguns oráculos de salvação (2,1-3.18-25) e o poema da relação entre o esposo e a esposa (2,4-17).
II. Crimes e castigos de Israel (4,1-14,9); costuma ainda subdividir-se em duas secções: cap. 4-11, uma série de oráculos centrados especialmente na denúncia do culto e da política; e cap. 12-14, algumas reflexões históricas sobre o pecado de Israel, que terminam com um oráculo de salvação (14,2-9).
Epílogo sapiencial (14,10).


TEOLOGIA

A mensagem de Oseias coincide, em grande parte, com a de Amós: denúncia das injustiças e da corrupção religiosa. Oseias insiste, particularmente, na corrupção do culto e da política: no culto, condena toda a idolatria, a adoração de Baal, os cultos de fertilidade e a falsidade do culto ao Deus de Israel, que serve apenas para encobrir as injustiças de todo o tipo; na política, condena as alianças com a Assíria ou com o Egipto, porque levam a esquecer o poder salvador de Deus.

Oseias desmistifica a História, adoptando uma posição crítica quanto ao passado de Israel. É a partir desta visão da História que desenvolve a teologia do amor nupcial de Deus pelo seu povo: Deus ama com um amor fiel; ao contrário, o povo responde com infidelidades.

Só o castigo, a ruína e a invasão poderiam fazer ver ao povo o seu pecado. Mas, ainda assim, depois da dureza de todas as críticas e do anúncio da desgraça, o castigo não é a última palavra deste profeta. Mesmo que o povo não esteja totalmente arrependido, Deus acolhe-o e ensina-o como esposo e como pai, e o seu amor gratuito acaba por triunfar.



Capítulos

Os 1 Os 2 Os 3 Os 4 Os 5 Os 6 Os 7 Os 8 Os 9 Os 10 Os 11 Os 12 Os 13 Os 14

Ferramentas pessoais