Sir 37

Da wiki Biblia Online
Ir para: navegação, pesquisa

Verdadeiro e falso amigo 371Todo o amigo dirá: «Eu também contraí amizade contigo.» Há, porém, amigos que só o são de nome. 2Não causa isto uma dor que perdura até à morte, que um companheiro e amigo se converta em inimigo? 3Ó perversa inclinação, onde tiveste origem, para cobrir a terra com a tua perfídia? 4Há companheiro que se aproveita do amigo nas suas diversões, mas, no tempo da tribulação, será seu adversário. 5Há companheiro que se condói da desventura do seu amigo, no interesse do seu ventre; no momento de luta, ele toma o escudo. Não te esqueças em teu coração do teu amigo; no meio da riqueza, não percas a sua lembrança.   O bom e o mau conselheiro 7Todo o conselheiro se vangloria no seu conselho, e certos conselheiros só visam o seu interesse. 8Diante de um conselheiro, põe-te alerta; vê primeiro quais são os seus interesses porque ele pode aconselhar em seu próprio interesse; não aconteça que ele lance contra ti a sua sorte 9e te diga: «Estás no bom caminho», enquanto se põe do outro lado, para ver o que te acontecerá. 10Não te aconselhes com quem te olha com desconfiança; e, dos que te invejam, guarda os teus segredos. 11Não consultes uma mulher ciumenta sobre a sua rival, um covarde sobre a guerra, um negociante sobre os negócios, um comprador sobre uma coisa para vender, um invejoso sobre a gratidão, um egoísta sobre a bondade, um preguiçoso sobre qualquer trabalho, um operário contratado por ano sobre o termo do seu contrato, um criado preguiçoso sobre uma grande tarefa!... Não confies neles, nem nos seus conselhos. 12Antes, comunica assiduamente com um homem piedoso, que reconheceres como cumpridor dos mandamentos, cuja alma seja semelhante à tua, e que, se tropeçares, compartilhará da tua dor. 13Atende ao conselho do teu coração, porque ninguém te é fiel como ele. 14Com efeito, a alma de um homem adverte-o melhor que sete sentinelas colocadas de atalaia. 15Mas em todas as coisas pede ao Altíssimo que dirija os teus passos na verdade. 16O princípio de qualquer obra é a razão, e a reflexão preceda qualquer acção. 17O coração está na base das mudanças de opinião; dele brotam quatro ramos diferentes: 18o bem e o mal, a vida e a morte; mas quem domina continuamente sobre elas é a língua.   A verdadeira e a falsa sabedoria 19Há homem esperto que ensina a muita gente, mas que é inútil para si mesmo. 20E há sábio que, com as suas palavras, se torna odioso e será privado de todo o alimento. 21Não recebeu os favores do Senhor, porque carece de toda a sabedoria. 22Há sábio que é sábio para si mesmo, e o fruto da sua sabedoria é digno de confiança. 23O sábio instrui o seu povo, e os frutos da sua sabedoria são duradoiros. 24O homem sábio será cumulado de bênçãos, e os que o virem louvá-lo-ão. 25A vida de um homem tem os dias contados, mas os dias de Israel são inumeráveis. 26O sábio herdará a confiança no meio do povo, e o seu nome viverá eternamente.   A temperança 27Meu filho, prova-te a ti mesmo, durante a tua vida; se uma coisa te é prejudicial, não te apoderes dela. 28Porque nem tudo é vantajoso para todos, nem todos se comprazem nas mesmas coisas. 29Nunca sejas glutão em banquete algum, nem te lances a tudo o que se serve, 30porque o excesso de alimento é causa de doença e a intemperança provoca cólicas. 31Muitos morreram por causa da sua intemperança; porém, o homem sóbrio prolonga a sua vida.



Capítulos

Sir 1 Sir 2 Sir 3 Sir 4 Sir 5 Sir 6 Sir 7 Sir 8 Sir 9 Sir 10 Sir 11 Sir 12 Sir 13 Sir 14 Sir 15 Sir 16 Sir 17 Sir 18 Sir 19 Sir 20 Sir 21 Sir 22 Sir 23 Sir 24 Sir 25 Sir 26 Sir 27 Sir 28 Sir 29 Sir 30 Sir 31 Sir 32 Sir 33 Sir 34 Sir 35 Sir 36 Sir 37 Sir 38 Sir 39 Sir 40 Sir 41 Sir 42 Sir 43 Sir 44 Sir 45 Sir 46 Sir 47 Sir 48 Sir 49 Sir 50 Sir 51