Sir 27

Da wiki Biblia Online
Ir para: navegação, pesquisa

27 1Muitos pecam por amor ao dinheiro; aquele que procura enriquecer faz todas as falcatruas. 2Como se finca um pau entre as junturas das pedras, assim penetra o pecado entre a compra e a venda. 3Se não te mantiveres firmemente no temor do Senhor, a tua casa em breve será arruinada.   A palavra dá a conhecer o homem 4Quando se abana o crivo, apenas ficam as alimpas; do mesmo modo, os defeitos do homem aparecem nas suas palavras. 5A fornalha prova as jarras do oleiro, e a prova do homem são os seus pensamentos. 6O cuidado com uma árvore mostra-se no fruto; assim, a palavra manifesta o que vai no coração do homem. 7Não louves um homem antes de ele falar, porque é assim que ele se dá a conhecer.   Procura a justiça 8Se procurares a justiça, encontrá- la-ás e dela te revestirás como de um manto de glória. 9As aves chegam-se aos seus semelhantes; assim a verdade volta para aqueles que a praticam. 10O leão está à espreita da presa; da mesma forma, o pecado, para os que praticam a iniquidade.   A conversa do insensato 11A conversa do homem piedoso é sempre sabedoria, mas o insensato é inconstante como a Lua. 12No meio dos insensatos, guarda as tuas palavras para outra ocasião, mas, no meio de pessoas ponderadas, prolonga a tua presença. 13A conversa dos pecadores é odiosa; eles alegram-se nas delícias do pecado. 14A linguagem do que multiplica os palavrões faz eriçar os cabelos, e a sua disputa faz tapar os ouvidos. 15A contenda entre orgulhosos faz correr sangue, e as suas injúrias não se podem ouvir.   A indiscrição destrói a amizade 16Aquele que revela o segredo de um amigo perde o crédito, e não encontrará amigos segundo o seu coração. 17Ama o amigo e sê-lhe leal, mas, se revelaste os seus segredos, não vás mais atrás dele. 18Como se perde um morto, assim tu perdeste a amizade do teu próximo. 19Como um pássaro que tu soltaste da tua mão, assim deixaste ir o teu amigo, e não o encontrarás mais. 20Não o persigas, porque já está muito longe; fugiu da armadilha como uma gazela. 21Uma ferida pode ser curada, e uma injúria, ser reparada, mas aquele que revelou segredos perdeu toda a esperança.   A hipocrisia 22Aquele que pisca os olhos tem maus desígnios, e ninguém o poderá afastar disso. 23Na tua presença fala com doçura, admira tudo o que disseres, mas, depois, muda de linguagem e serve-se das tuas palavras, para te prejudicar. 24Aborreço muitas coisas, porém nada tanto como a este; o Senhor também o detesta.   O mau prejudica-se a si próprio 25Aquele que lança uma pedra ao ar, há-de vê-la cair sobre a sua cabeça; assim, a ofensa feita à traição atingirá também o traidor. 26O que abre uma cova, cairá nela; o que arma uma cilada a outrem, nela perecerá. 27O desígnio perverso voltar-se-á contra quem o forja, sem que saiba donde lhe vem. 28O escárnio e o ultraje são próprios dos orgulhosos, mas a vingança, como um leão, apanhá-los-á de surpresa. 29Aqueles que se alegram com a queda dos piedosos, perecerão no laço, e a dor os consumirá ainda vivos. 30A ira e o furor são duas coisas detestáveis; só o homem pecador os nutre no coração.



Capítulos

Sir 1 Sir 2 Sir 3 Sir 4 Sir 5 Sir 6 Sir 7 Sir 8 Sir 9 Sir 10 Sir 11 Sir 12 Sir 13 Sir 14 Sir 15 Sir 16 Sir 17 Sir 18 Sir 19 Sir 20 Sir 21 Sir 22 Sir 23 Sir 24 Sir 25 Sir 26 Sir 27 Sir 28 Sir 29 Sir 30 Sir 31 Sir 32 Sir 33 Sir 34 Sir 35 Sir 36 Sir 37 Sir 38 Sir 39 Sir 40 Sir 41 Sir 42 Sir 43 Sir 44 Sir 45 Sir 46 Sir 47 Sir 48 Sir 49 Sir 50 Sir 51