Ex 12

Da wiki Biblia Online
Ir para: navegação, pesquisa

A Páscoa (23,15; 34,18; Lv 23,5-8; Nm 9,1-5; 28,16-25; Dt 16,1-8; Mt 26,17 par.; 1 Cor 5,7; 11,23-27) – 1O SENHOR disse a Moisés e a Aarão na terra do Egipto: 2«Este mês será para vós o primeiro dos meses; ele será para vós o primeiro dos meses do ano. 3Falai a toda a comunidade de Israel, dizendo que, aos dez deste mês, tomará cada um deles um animal do rebanho para a família, um animal do rebanho por casa. 4Se a família for pouco numerosa para um animal do rebanho, tomar-se-á com o vizinho mais próximo da casa, segundo o número das pessoas; calculareis o animal do rebanho conforme o que cada um puder comer. 5O animal do rebanho para vós será sem defeito, um macho, filho de um ano, e tomá-lo-eis de entre os cordeiros ou de entre os cabritos. 6Vós o tereis sob guarda até ao dia catorze deste mês, e toda a assembleia da comunidade de Israel o imolará ao crepúsculo.

7Tomar-se-á do sangue e colocar-se-á sobre as duas ombreiras e sobre o dintel da porta das casas em que ele se comerá. 8Comer-se-á a carne naquela noite; comer-se-á assada no fogo com pães sem fermento e ervas amargas. 9Não a comereis nem crua nem cozida na água, mas assada no fogo, a cabeça com as patas e as entranhas. 10Não deixareis dela nada até pela manhã; e o que restar dela pela manhã, queimá-lo-eis no fogo. 11Comê-la-eis desta maneira: os rins cingidos, as sandálias nos pés, e o cajado na mão. Comê-la-eis à pressa. É a Páscoa em honra do SENHOR.

12E Eu atravessarei a terra do Egipto naquela noite, e ferirei todos os primogénitos na terra do Egipto, desde os homens até aos animais, e contra todos os deuses do Egipto farei justiça, Eu, o SENHOR. 13E o sangue será para vós um sinal nas casas em que vós estais. Eu verei o sangue e passarei ao largo; e não haverá contra vós nenhuma praga de extermínio, quando Eu ferir a terra do Egipto. 14Aquele dia será para vós um memorial, e vós festejá-lo-eis como uma festa em honra do SENHOR. Ao longo das vossas gerações, a deveis festejar como uma lei perpétua.


Festa dos Ázimos (13,3-10; 23,15; Lv 23,6-8; Dt 16,3-4) – 15Durante sete dias comereis pães sem fermento. No primeiro dia, fareis desaparecer o fermento das vossas casas, pois todo aquele que comer pão fermentado, do primeiro dia ao sétimo dia, será eliminado de Israel.

16No primeiro dia, tereis uma convocação sagrada, assim como no sétimo dia. Não se fará nenhum trabalho nesses dias; apenas aquilo que será comido por cada pessoa, só isso será feito por vós.

17Guardareis a festa dos pães sem fermento, porque foi precisamente neste dia que Eu fiz sair os vossos exércitos da terra do Egipto. Guardareis este dia nas vossas gerações como uma lei perpétua.

18No primeiro mês, no dia catorze à tarde, comereis pães sem fermento até ao dia vinte e um do mês, à tarde. 19Durante sete dias, não se encontrará fermento nas vossas casas, porque todo aquele que comer pão fermentado, essa pessoa será eliminada da comunidade de Israel, quer seja estrangeiro residente, quer natural da terra. 20Não comereis nenhum pão fermentado. Em qualquer lugar em que habitardes, comereis pães sem fermento.»


Prescrições sobre a Páscoa21Moisés chamou todos os anciãos de Israel e disse-lhes: «Escolhei e tomai para vós um animal do rebanho, segundo os vossos clãs, e imolai a Páscoa. 22Tomareis depois um ramo de hissopo, mergulhá-lo-eis no sangue que estiver na bacia, e marcareis o dintel e as duas ombreiras da porta com o sangue que estiver na bacia, e nenhum de vós sairá da porta da sua casa até pela manhã. 23O SENHOR passará para ferir o Egipto, verá o sangue sobre o dintel e sobre as duas ombreiras da porta, e o SENHOR passará ao largo da porta e não deixará que o Exterminador entre nas vossas casas para ferir.

24Observareis isto como uma prescrição para vós e para os vossos filhos para sempre. 25Quando tiverdes entrado na terra que o SENHOR vos dará, como Ele falou, observareis este serviço cultual.

26Quando os vossos filhos vos disserem: ‘O que é este serviço cultual para vós?’, 27vós direis: ‘É o sacrifício da Páscoa em honra do SENHOR, que passou ao largo das casas dos filhos de Israel no Egipto, quando feriu o Egipto e salvou as nossas casas.’» O povo inclinou-se e prostrou-se.

28Os filhos de Israel foram e fizeram como o SENHOR tinha ordenado a Moisés e a Aarão. Assim fizeram.


X. Morte dos primogénitos (11,4-8; 12,12; Sl 78,51; 136,10; Sb 18,6-18) – 29E aconteceu que, no meio da noite, o SENHOR feriu todos os primogénitos na terra do Egipto, desde o primogénito do faraó, que havia de sentar-se no seu trono, até ao primogénito do prisioneiro, que está na prisão, e todos os primogénitos dos animais. 30O faraó levantou-se durante a noite, ele, todos os seus servos e todo o Egipto, e houve um grande clamor no Egipto, porque não havia casa que não tivesse lá um morto.

31Ele chamou Moisés e Aarão durante a noite e disse: «Levantai-vos e saí do meio do meu povo, vós e também os filhos de Israel, e ide servir o SENHOR, como tendes falado. 32Tomai também as vossas ovelhas e os vossos bois, como tendes falado, ide e abençoai-me também a mim.»


SAÍDA DO EGIPTO (12,33-15,21)


33Os egípcios pressionaram o povo para que partisse depressa da terra, pois diziam: «Morreremos todos!» 34O povo levou a sua farinha amassada antes de levedar, e sobre os ombros as suas amassadeiras envoltas nos seus mantos. 35Os filhos de Israel fizeram como tinha falado Moisés, e pediram aos egípcios objectos de prata, objectos de ouro e mantos. 36O SENHOR fez com que o povo alcançasse benevolência da parte dos egípcios, que acederam aos seus pedidos. E assim despojaram os egípcios.


Partida (13,17-22; Nm 33,3-5) – 37Os filhos de Israel partiram de Ramessés para Sucot, cerca de seiscentos mil a pé, só os homens fortes, sem contar as crianças. 38Também uma turba numerosa partiu com eles, juntamente com ovelhas, bois e gado em grande quantidade. 39Eles cozeram a farinha amassada com que tinham saído do Egipto em bolos sem fermento, pois não tinha fermento. Tinham, na verdade, sido expulsos do Egipto, e não puderam demorar-se; nem sequer fizeram provisões para eles.

40A estadia dos filhos de Israel que residiram no Egipto foi de quatrocentos e trinta anos. 41No final dos quatrocentos e trinta anos, precisamente naquele dia, saíram todos os exércitos do SENHOR da terra do Egipto. 42Aquela foi uma noite de vigília para o SENHOR, quando Ele os fez sair da terra do Egipto. Esta noite do SENHOR será de vigília para todos os filhos de Israel nas suas gerações.


Ritual da Páscoa (Nm 9,2-14) – 43O SENHOR disse a Moisés e a Aarão: «Esta é a prescrição da Páscoa: nenhum filho de estrangeiro comerá dela. 44Todo o escravo adquirido com dinheiro, tu o circuncidarás, e então comerá dela. 45Os estrangeiros, residentes ou assalariados, não comerão dela. 46Comer-se-á numa só casa. Não se fará sair carne da casa para fora, e não lhe quebrareis nenhum osso. 47Toda a comunidade de Israel a celebrará. 48E se morar contigo um estrangeiro residente, que queira fazer a Páscoa do SENHOR, será circuncidado todo o macho da sua casa, e então se aproximará para a fazer, e será como um natural da terra, mas nenhum incircunciso comerá dela. 49Haverá uma só lei para o natural e para o estrangeiro residente que habite no meio de vós.»

50Todos os filhos de Israel fizeram assim; fizeram exactamente como o SENHOR tinha ordenado a Moisés e a Aarão. 51Foi precisamente neste dia que o SENHOR fez sair os filhos de Israel da terra do Egipto, segundo os seus exércitos.



Capítulos

Ex 1 Ex 2 Ex 3 Ex 4 Ex 5 Ex 6 Ex 7 Ex 8 Ex 9 Ex 10 Ex 11 Ex 12 Ex 13 Ex 14 Ex 15 Ex 16 Ex 17 Ex 18 Ex 19 Ex 20 Ex 21 Ex 22 Ex 23 Ex 24 Ex 25 Ex 26 Ex 27 Ex 28 Ex 29 Ex 30 Ex 31 Ex 32 Ex 33 Ex 34 Ex 35 Ex 36 Ex 37 Ex 38 Ex 39 Ex 40