2 Sm 19

Da wiki Biblia Online
Ir para: navegação, pesquisa

Luto de David por Absalão 1Então, o rei, muito triste, su­biu ao quarto que estava por cima da porta e pôs-se a chorar. E dizia, caminhando de um lado para o ou­tro: «Meu filho Absalão, meu filho, meu filho Absalão! Porque não morri eu em teu lugar? Absalão, meu fi­lho, meu filho!» 2Disseram a Joab: «O rei chora e lamenta­-se por causa de Absa­lão.» 3E naquele dia a vitória con­ver­teu-se em luto para todo o exército, porque o povo soube que o rei estava acabrunhado de dor por causa do fi­lho. 4Por isso, o exército entrou na cidade em silêncio, como entra, co­berto de vergo­nha, um exército der­ro­­tado. 5E o rei cobriu a cabeça e dizia em alta voz: «Meu filho Absalão! Absa­lão, meu fi­lho, meu filho!»

6Chegou então Joab à casa do rei e disse-lhe: «Tu hoje enches de con­fusão a face de todos os teus servos que salva­ram a tua vida, a vida de teus filhos e fi­lhas, de tuas mulheres e concubi­nas. 7Amas os que te odeiam e odeias os que te amam, e mostras que todos os teus servos e chefes do exército nada valem para ti. Fica­rias satisfeito se Absalão vivesse, e nós fôs­semos todos mortos! 8Vamos, sai e ani­ma o cora­ção dos teus servos, pois juro pelo Senhor que, se não sais, nem um só homem ficará contigo esta noite. E isto seria para ti uma desgraça maior do que todas as que te aconteceram desde a tua mocidade até agora.» 9O rei levantou-se e sentou-se à porta. E avisou-se todo o povo: «O rei está sentado à porta.» E todo o povo se apresentou diante do rei.


Regresso de David a Jerusalém (16,1-13) – Os israelitas tinham fu­gido cada um para a sua casa. 10E em todas as tribos de Israel todos discutiam e diziam: «O rei salvou-nos das mãos dos nossos inimigos e do poder dos filisteus, mas teve agora de sair da terra para fugir de Absa­lão. 11E Absalão, a quem tínha­mos ungido rei, morreu no combate. Por­que tardais em fazer o rei regres­sar?»

12O rei David mandou dizer aos sacerdotes Sadoc e Abiatar: «Falai aos anciãos de Judá e dizei-lhes: ‘Se­reis vós os últimos a reconduzir o rei a casa? Pois o que diz todo o Is­rael chega aos ouvidos do rei, à sua casa. 13Vós sois meus irmãos, da minha carne e do meu sangue. Porque, ha­vereis de ser os últimos a fazer o rei regressar?’ 14Dizei também a Amassá: ‘Porventura não és tu da mi­nha car­ne e do meu san­gue? Trate-me Deus com todo o seu rigor, se não te tor­nar para sempre chefe do meu exér­cito em lugar de Joab.’»


David e Chimei15Deste modo, o coração de todos os homens de Judá inclinou-se para David, como se fos­sem um só homem, e mandaram-lhe dizer: «Volta com todos os teus!» 16Vol­­tou, pois, o rei e, chegando ao Jor­dão, todos os de Judá acorreram a Guil­gal para o receber e acom­panhar na passagem do Jordão. 17Chi­mei, filho de Guera, da tribo de Ben­jamim, na­­tural de Baurim, apressou-se a ir ao encontro do rei David. 18Levava con­sigo mil ho­mens de Benjamim e tam­bém Ciba, servo da família de Saul, com os seus vinte servos e os seus quinze filhos. Atravessaram o Jordão antes do rei, 19a fim de fazer passar a fa­mí­lia real e colocar-se às suas ordens. Chimei, filho de Guera, no momento em que o rei ia a pas­sar o Jordão, prostrou-se a seus pés 20e disse-lhe: «Não castigues, meu senhor, a mi­nha maldade, nem guardes no teu coração a lembrança das injú­rias que recebeste do teu servo, no dia em que saíste, meu rei e senhor, de Jerusalém. 21Este teu servo sabe que pecou. Por isso, vim hoje, o pri­meiro de toda a casa de José, ao encontro do rei, meu senhor!» 22Abi­sai, filho de Seruia, tomou a pala­vra, e disse: «Não se deverá antes matar Chimei, por ter amaldiçoado o ungido do Se­nhor?» 23Respondeu David: «Que tenho a ver convosco, filhos de Se­ruia, para que vos tor­neis meus tentadores no dia de hoje? Porventura é hoje dia para fazer morrer um só filho de Is­rael? Não sei, acaso, que hoje sou de novo rei de Israel?» 24E disse a Chi­mei: «Não morrerás.» E prometeu-lho com jura­mento.


David e Mefiboset25Mefiboset, filho de Saul, saiu também ao en­contro do rei. Já não lavava os pés nem fazia a barba, nem lavava as suas vestes desde o dia em que o rei partiu até ao dia em que voltou em paz. 26Apresentou-se, pois, ao rei, em Jerusalém, e este disse-lhe: «Por­que não partiste comigo, Mefi­bo­set?» 27Ele respondeu: «Meu senhor e rei, o meu criado enganou-me. Pois, sendo paralítico teu servo, dissera-lhe que me selasse a jumenta para montar e partir com o rei. 28Ele, po­rém, calu­niou-me junto do rei meu senhor. Mas o rei, meu senhor, é como um anjo de Deus; faça o que for do seu agrado. 29Toda a família de meu pai merecia a morte diante do meu senhor e rei, e, no entanto, admi­tiste o teu servo entre os que comem à tua mesa. Com que direito ainda posso recla­mar al­guma coisa do rei?» 30O rei res­pon­deu: «Para quê tantas pala­vras? De­claro que tu e Ciba repartireis os bens.» 31E Mefiboset disse: «Ele pode até ficar com tudo, uma vez que o rei, meu se­nhor, voltou em paz para sua casa.»


David e Barzilai32Barzilai, o gui­leadita, desceu de Roguelim, pas­sou o Jordão com o rei, despe­dindo-se dele junto do Jordão. 33Era já muito velho, pois tinha oitenta anos. Sendo muito rico, abastecera o rei durante todo o tempo em que ele esteve em Maa­naim. 34O rei disse-lhe: «Vem comigo, e eu te susten­tarei em Jerusalém!» 35Mas Barzilai respondeu: «Quantos anos viverei ainda, para subir com o rei a Jeru­salém? 36Tenho agora oi­tenta anos e já não sei discernir entre o que é bom e o que é mau. Já não posso sabo­rear a comida e a bebida, nem ouvir a voz dos cantores e can­toras. E para que se há-de tornar pesado o teu servo ao meu senhor e rei? 37O teu servo acompanhar-te-á um pou­co mais além do Jordão. Por­que há-de o rei conceder-me tal re­compensa? 38Deixa que o teu servo re­­gresse. Deixa-me morrer na minha cidade, junto ao túmulo de meu pai e de minha mãe. Mas aqui tens o teu ser­vo Quimeam; este pode ir con­tigo, meu rei e senhor; faz dele o que me­lhor te parecer.» 39Respon­deu o rei: «Que ele venha, pois, co­migo. Far-lhe-ei tudo o que te agra­dar; e a ti, tam­bém te concederei tudo quanto me pedires.» 40Final­mente, o rei pas­sou o Jordão com toda a gente, beijou Bar­zilai, aben­çoou-o, e Barzilai voltou para sua casa.

41O rei dirigiu-se a Guilgal, acom­panhado de Quimeam. Todo o povo de Judá e metade do povo de Israel ajudaram o rei a passar. 42Mas todos os homens de Israel foram ter com o rei e disseram-lhe: «Por que razão os nossos irmãos, os filhos de Judá, te sequestraram e obrigaram o rei com toda a sua família e todos os seus homens a passar o Jordão?» 43E os filhos de Judá responderam aos israelitas: «É que o rei é nosso pa­rente. Porque vos irritais com isso? Acaso temos comido a expensas do rei ou recebido dele alguma coisa?» 44Mas os homens de Israel replica­ram aos de Judá: «Temos dez vezes mais direitos que vós sobre o rei, e mesmo sobre David. Porque nos des­prezastes? Não fomos nós os primei­ros a propor o regresso do rei?» Mas as palavras dos homens de Judá fo­ram mais duras que as dos homens de Israel.



Capítulos

2 Sm 1 2 Sm 2 2 Sm 3 2 Sm 4 2 Sm 5 2 Sm 6 2 Sm 7 2 Sm 8 2 Sm 9 2 Sm 10 2 Sm 11 2 Sm 12 2 Sm 13 2 Sm 14 2 Sm 15 2 Sm 16 2 Sm 17 2 Sm 18 2 Sm 19 2 Sm 20 2 Sm 21 2 Sm 22 2 Sm 23 2 Sm 24