Comunidades

Imprimir

D. Jorge conta com os Capuchinhos

dom_jorge_conta_com_os_capuchinhosO Arcebispo Primaz, D. Jorge Ortiga, disse ontem que conta com a Ordem dos Frades Menores Capuchinhos para que ajudem na missão de renovação da Igreja arquidiocesana. Este pedido em jeito de desafio foi formulado pelo prelado na homilia da missa solene de encerramento das celebrações dos 75 anos da presença dos Franciscanos Capuchinhos na cidade de Barcelos. No final da Eucaristia, foi inaugurado um monumento alusivo à efeméride como sinal da gratidão de Barcelos à obra daquela comunidade religiosa.

Na celebração, D. Jorge Ortiga lembrou que aquela era uma oportunidade para dar graças pela obra dos Capuchinhos «aqui em Barcelos e em toda a Arquidiocese de Braga», ainda que as atenções não se fiquem apenas na memória do passado mas se centrem «na responsabilidade do presente». Ora, esta responsabilidade, continuou o prelado, não está dissociada do fundador S. Francisco de Assis e da «sua abertura humilde ao que Deus pretendia fazer dele». «Foi tornando-se instrumento de Deus que S. Francisco de Assis encontrou o sentido profundo da sua vocação», sublinhou o presidente da celebração que foi transmitida pela TVI.

Recordando que Deus pediu a Francisco de Assis que renovasse a Sua casa, D. Jorge Ortiga indicou que o mesmo aceitou o desafio, «primeiro pensando que se tratava da casa física mas, posteriormente, apercebendo-se que a renovação era para atingir toda a Igreja no seu sentido mais absoluto e radical».

Hoje, como no passado, o Arcebispo de Braga refere que «a Igreja necessita de ser repensada e precisa de uma grande renovação para ser o que deve ser» e, nesse sentido, exortou para que os cristãos, à semelhança de S. Francisco de Assis, «devam ser capazes de se colocarem nas mãos de Deus e assumirem-se Seus instrumentos no mundo». «Jesus foi o código de acção de Francisco de Assis através da Palavra do Evangelho», disse o Arcebispo Primaz, acrescentando que o fundador dos Franciscanos «escutou e acolheu a Palavra e dedicou obediência a esta e não a outras palavras». Por isso, sublinhou, «traduziu em vida os conteúdos da Palavra do Evangelho».

Dedicando a atenção aos 75 anos da comunidade dos Capuchinhos em Barcelos, D. Jorge Ortiga salientou que a efeméride lhes coloca «novos desafios» e convidou-os a que façam com que a Palavra de Deus, através da sua acção, seja renovadora de cada cristão e das comunidades da Arquidiocese de Braga. «Hoje, o grande banquete que a Igreja deve oferecer ao mundo é a Palavra de Deus», asseverou o presidente da celebração, indicando que todos, sem excepção, são convidados a acolhê-la.

Representante de Roma esteve em Barcelos
As comemorações contaram com a presença de um representante do Ministro Geral da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, o padre Carlos Novoa, que se deslocou propositadamente de Roma até à comunidade de Barcelos. Ao Diário do Minho, aquele sacerdote salientou que as «origens da presença» dos Capuchinhos tem como característica «ir onde ninguém quer ir, tratar daqueles que ninguém quer tratar e permanecer onde outros procuram escapar». O representante do Ministro Geral manifestou ainda agrado pela obra e pela comemoração dos 75 anos daquela comunidade.

No final da missa, foi inaugurado pelo presidente da Câmara de Barcelos um monumento à presença dos Capuchinhos na cidade que, tal como o autarca indicou, significa a gratidão de Barcelos à obra daquela comunidade religiosa.

Por seu turno, o guardião da comunidade, frei Manuel Pires, recordou que foi o Arcebispo de Braga D. Bento Martins Júnior que convidou a que se instalassem em Barcelos e que ali se sentem «bem acolhidos». Aquele frade indicou que sinal da força daquela comunidade é o facto de «mais de 50 por cento dos Capuchinhos em Portugal serem da Arquidiocese de Braga».

Por último, o Arcebispo Primaz, D. Jorge Ortiga, renovou o pedido para que os Capuchinhos contribuam para a renovação da Igreja da Arquidiocese de Braga «na tarefa pastoral de renovação eclesial a partir dos centros urbanos».

 

Fonte: Diário do Minho, edição de 30 de Agosto de 2010