Museu do Presépio

No Centro Bíblico do Capuchinhos, em Fátima, sito na Avenida Beato Nuno, nº 407, existe uma Coleção de mais de 1200 Presépios de 70 países, na sua grande maioria ofertas de amigos, artesãos, doadores que nos têm legado as suas coleções particulares e visitantes que se apercebem do seu caráter cultural e de evangelização.

 

Iniciada em 1993, tem vindo a ser permanentemente recolhida, valorizada e acrescentada. Vinte anos depois, pensa-se num espaço definitivo e suficientemente amplo para acolher todas as peças, expô-las ao público de modo permanente e temporário, conservando o acervo com segurança e qualidade de conservação.

 

Aqui apresentamos o seu historial, objetivos, projetos e condições de visita.

 

 

 

MEMORANDO PARA O MUSEU DO PRESÉPIO

 

 

 

(1) A Coleção de Presépios

 

1. No Centro Bíblico do Capuchinhos, em Fátima, sito na Avenida Beato Nuno, nº 407, existe uma Coleção demais de 1200 Presépios de 70 países, que vem sendo permanentemente recolhida, valorizada e acrescentada desde 1993.

 

2. O ponto de início foi um Presépio com São Francisco e Santa Clara e uma Nossa Senhora da Palavra, ambos do artesão José Franco (+2009), trazidos de Lisboa pelo frei Lopes Morgado em setembro de 1993. No Natal de 1995, sem que ele nada tivesse programado à partida, já fez a I Exposição de uma centena de presépios, na sala de jantar do Centro Bíblico, com o título o EVANGELHO DA VIDA, pelos 9 meses da encíclica homónima de João Paulo II, assinada a 25 de março do mesmo ano, na solenidade da Anunciação do Senhor. O título foi mantido, até hoje, como possível nome da Coleção no futuro (O EVANGELHO DA VIDA / Coleção de Presépios), uma vez que, segundo a nova legislação, é mais viável não se chamar MUSEU DO PRESÉPIO.

 

3. De novembro de 1997 a janeiro de 1998, as principais peças em barro da Coleção foram disponibilizadas para uma II Exposição no Museu da Olaria, em Barcelos, no contexto da abertura do triénio preparatório para o Grande Jubileu da Encarnação, em 2000.

 

4. O interesse e o êxito despertado por essa Exposição, levaram o frei Lopes Morgado a manter todas as peças disponíveis ao público, na dependência onde se encontram atualmente. Entretanto, as entrevistas e reportagens saídas nalguns meios de comunicação social[1] fizeram chegar vários pedidos de cedência da Coleção para Exposições similares.[2] Mas, sobretudo porque todos os pedidos eram para a época do Natal, quando a Coleção é mais visitada por bastantes grupos e Escolas, esse empréstimo foi sendo negado.

 

5. Em setembro de 1999, ao ser-me concedido um ano sabático, findo o qual era previsto vir a integrar a Fraternidade de Gondomar, resolvi expor permanentemente esta Coleção, confiando a toda a Província, nomeadamente à Fraternidade de Fátima, o seu cuidado e manutenção. Porém, ao não ir para Gondomar, voltei a interessar-me por ela e foi-se afirmando cada vez mais a ideia de se pensar numMuseu do Presépio, sendo disso incumbido pelos Superiores da Ordem em Portugal.

 

6. De 8 de novembro de 2006 a 2 de fevereiro de 2007, uns 30 Presépios foram excecionalmente cedidos para uma Exposição naGaleria S. Miguel, em Fátima. Segundo o relatório final apresentado, foi das Exposições mais interessantes e concorridas naquela Galeria. Voltaram a pedir outros Presépios para nova Exposição no Natal de 2007; mas, por coincidir com a época de mais visitas, e dado a Galeria também ser em Fátima, achou-se melhor não emprestar, pois estas duas razões já tinham sido dadas a outras pessoas e entidades com igual interesse na sua exposição. Na altura, a Galeria mandou imprimir em postal, para venda, seis dos Presépios expostos.

 

7. Outros 19 Presépios foram fotografados e incluídos no livro Um Menino chamado Natal, de Joaquim Franco, editado em Lisboa pela Sociedade Bíblica de parceria com a Lucerna, em dezembro de 2006. Foi uma experiência não totalmente satisfatória; mas veio revelar-nos, tal como a do número anterior, ser altura de nós próprios editarmos alguns destes Presépios, como fonte económica para conservar e ampliar a Coleção.

 

8. A grande maioria das obras existentes nesta Coleção são ofertas de pessoas amigas, conhecedoras do gosto que o seu iniciador desde sempre nutriu pelo tema do Presépio, e de vários artesãos. Duas pessoas concretas legaram-nos a sua própria Coleção. E a pouco e pouco, o número de doadores alargou-se a muitos visitantes, que se aperceberam do interesse artístico e cultural de uma Coleção destas e das suas possibilidades para a Evangelização levada a cabo pelo Movimento Bíblico, nomeadamente neste Centro. Os Irmãos Capuchinhos, de Portugal e do estrangeiro, também foram manifestando a sua simpatia por esta causa, sendo já bastantes os que trazem um novo Presépio para esta Coleção quando se deslocam dentro ou fora do país.

 

9. A 2 de outubro de 2013, vinte anos depois do seu início, eis os países representadosnesta Coleção: África do Sul, Alemanha, Angola, Argentina, Áustria, Bangladesh, Bélgica, Bolívia, Brasil, Bulgária, Cabo Verde, Canadá, Cazaquistão, Chile, China, Colômbia, Croácia, Egito, El Salvador, Equador, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estónia, EUA, Filipinas, França, Grécia, Guatemala, Guiné-Bissau, Haiti, Holanda, Indonésia, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Jordânia, Luxemburgo, Madagáscar, Malta, México, Moçambique, Níger, Palestina, Paraguai, Peru, Polónia, Portugal, Quénia, República Checa, Ruanda, Rússia, São Tomé, Senegal, Suécia, Suíça, Tailândia, Tanzânia, Timor-Leste, Tunísia, Turquia, Ucrânia, União Indiana, Uruguai, Venezuela, Vietname, Zaire e Zimbabué.

 

 

10. É chegado o momento de dar a estes Presépios um espaço condigno, que os preserve de qualquer degradação, permita divulgar a sua existência e possibilite organizar uma Exposição permanente e outras temporárias, cumprindo os objetivos que há muito nos propusemos e temos divulgado junto dos amigos e visitantes, tornando essa visita mais agradável e proveitosa.  

 

(2) Critérios para o futuro espaço museológico

 

11. Convém ter em conta que, ao situar-se num complexo chamado “Centro Bíblico dos Capuchinhos”, esta Coleção é mais uma oportunidade para a formação cultural e religiosa de quem o frequenta para cursos, retiros, atividades ou simples hospedagem. Deve, por isso, ser próximo e de fácil e rápido acesso a essas pessoas, geralmente com pouco tempo disponível à margem do programa dos grupos em que se integram.

 

12. Do complexo também faz parte um Jardim Bíblico, único no género em Portugal, com idênticos objetivos culturais, religiosos e de interiorização da mensagem, neste caso a proporcionada pela simbólica das árvores na Bíblia, pelas referências bíblicas que as acompanham e por outras sugestões constantes de um catálogo em organização. No largo de entrada do CENTRO BÍBLICO DOS CAPUCHINHOS, já existe uma sinalética exterior, com a sua indicação.

 

13. O espaço atual do Museu é bastante exíguo, não permitindo acolher várias centenas de peças da Coleção, que entretanto continua a crescer. Após dois projetos iniciais para o atual espaço, procuramos um outro definitivo para toda a Coleção, poupando-nos um investimento intermédio de eficácia limitada.

 

14. Um futuro espaço museológico deverá ter disponibilidade para integrar:

 

a) Exposição Permanente de, pelo menos, um terço da Coleção.

b) Acervo para guardar as outras peças com segurança e cuidado.

c) Espaço previsível para exposições temporárias, como:

       - Presépios de Portugal

       - Presépios da Europa

       - Presépios da América Latina

       - Presépios de África

       - S. Francisco e o Presépio (ou esta ser uma secção da permanente?)

d) Num átrio ou ponto de rotunda, prever uma peça em acrílico, exagonal ou em estrela de David, para se expor, no conjunto das 6 partes e em planos diferentes, a sequência da história do Nascimento, desde o AT.

e) Além da ficha de cada Presépio, haverá placards com alguns textos bíblicos, poéticos, litúrgicos, teológicos e históricos, sobre o Presépio e a sua mensagem.

 

15. Na obra, tentar unir a qualidade e beleza da conceção à simplicidade das soluções, exigida pelo tema da Exposição e pela Ordem que a suporta.

 

frei Lopes Morgado



[1] RTP 2 (programa ECCLESIA, 25.XII.2000), SIC, revista Stella, revista Pública, Jornal de Barcelos, revista Lazer, TVI (programa 8º dia, na Epifania de 2011), etc.

[2] Reitoria do Santuário de Fátima, Câmara de Alenquer, Câmara de Viana do Castelo, Câmara de Mira d’Aire, Lyons de Lisboa, Museu do Café, Oficina da Terra (Lisboa)...